Relato sobre o dia da Visibilidade Lésbica — II

escrito por Thais, militante do Juntas! Feira de Santana.

Numa tarde qualquer do sertão, mainha se estribucha de dor, vai nascer disse o doutor.…
1, 2, 3 mainha chorou, de dor, alegria ou rancor?

Afinal ela sabia que eu não seria a princesa que todo mundo sonhou uma grande mulher… que cresceria se casaria e teria uma família, tradicional e feliz com um mano qualquer. Mas Te direi quem eu sou, ou que dizem q me tornei.

Eu sou o que de nada serve sou sem valor, Sou a puta, nunca a santa, sou a pervertida, a sem pudor a que faz do inferno seu lar a louca que acredita que um dia o amor reinará e eu achei que o amor poderia curar tudo que tocasse, curou a fome que passei, os males pelos quais chorei mas em mim tem efeito reverso não cura, machuca!

E como dói amar ou menor nem o rosto dela posso acariciar no mínimo serei o fetiche no máximo ele me xinga, bate, mata e eu acrescento a taxa…
O gráfico cresce e nada acontece por mais que eu implore respeito por mim nada é feito e o meu único grande defeito foi ama-lá e por mais que eu tenha medo eu não consigo esconder o meu desejo de ser feliz como os outros casais… mas eu não posso, é pecado carnal é improprio imoral, não, mas é normal ser despida todos os dias pelos teus olhos cruéis, e ser morta pelo teu desejo, abusada pela tua necessidade carnal, imunda e desleal, mas é imoral eu ter o direito de amar, caminhar, sentar, sorrir construir um lar ao lado da mulher que eu escolhe amar…

Pelo simples fato de ser outra mulher!

Por mim e por todas manas lésbicas um dia só de visibilidade não nos condiz!

Respeito a todxs ⁠⁠⁠⁠resistir, persistir, lutar, cair, e mesmo assim não ter valor, aos 5 o cabelo, aos 10 os joelhos, aos 15 uma namorada, e por toda a vida uma pele marcada, ou melhor vou recomeçar a minha resistência.

Começa desde do dia que o nome de Maria me mãe quis me dá, não que o nome não me sirva mas me diminui e não sou quem diz, são os próprios filhos do Jesus, vai entender as mentes sujas e que me dizem que sou imunda, puta, louca, pervertida, sem fé, filha do demo, satã e quem mais for considerado ruim pela sociedade não chegara aos meus pés em promiscuidade, a essa altura você deve achar que tipo de mostro eu sou?

E esta repreendendo o meu valor, não se assuste, eu sou sociável ou melhor como diz tu Bixohomem sou sexo frágil sedutor, sou eu que só sirvo pra lamber, gemer, sentir dor, procriar, sou eu quem tem buceta mas não pode gozar, a que escrota estou sendo dizendo isso sem nenhum pudor, estou tirando de mim o meu único valor aaaahh que foda-se eu sou mais que teu depósito eu não vou me calar, sou mais que carne suja, sou mais que rua imunda, sou mais que beco podre, sou mais… Muito mais que você pode imaginar⁠⁠⁠⁠.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.