Caminhos Cruzados: Mobilidade urbana como termômetro das mudanças climáticas

Como Anda
Como Anda
Aug 8, 2018 · 8 min read
Image for post
Image for post

Caminhos Cruzados é uma experiência de debate virtual com o objetivo de discutir um mesmo tema a partir de visões e abordagens distintas. Além de responderem cada uma das três perguntas elaboradas pelo Como Anda, cada convidado deve comentar a resposta do outro. Trata-se de um esforço para revelar as divergências, singularidades e, também, as semelhanças entre as perspectivas de cada um sobre a mobilidade a pé no Brasil.

Mobilidade urbana como termômetro das mudanças climáticas

Com Aline Cavalcante, articuladora da Coalizão Clima e Mobilidade Ativa (CCMob), e Walter De Simoni, coordenador de portfólio de transporte do Instituto Clima e Sociedade.

1. Quais são os principais desafios de se discutir mobilidade ativa no âmbito das mudanças climáticas?

Aline Cavalcante: Acredito que o primeiro grande desafio é incluir a agenda de ‘cidades’ dentro do debate de clima no Brasil, mostrar que as emissões urbanas estão crescendo e que precisamos olhar para as emissões “futuras” e não só para as “passadas” como aquela proveniente do desmatamento. Dentro das emissões urbanas, o transporte é — e será cada dia mais — o principal “vilão”, tanto no transporte de passageiros quanto de cargas e o maior desafio a partir desse cenário é superar o discurso do carro elétrico ou da tecnologização como únicas soluções para o setor. A questão colocada é, então, falar sobre reorganização das cidades e nova forma de planejamento e urbanização dos espaços a fim de incorporar outras formas de enxergar o problema e as soluções. Diante desse olhar, incluir a mobilidade ativa — pedestres, ciclistas — como pilares fundamentais dessa quebra de paradigma. Além de ser “transportes emissão-zero”, a mobilidade ativa agrega ainda uma série de outras várias externalidades positivas tanto no campo individual quanto coletivo e garantir a segurança e conforto desses atores pode ser uma contribuição rápida, eficiente, imediata, barata e fundamental dentro do discurso climático.

WS: Concordo plenamente com a Aline de que a pauta urbana ainda não é vista como prioridade para o Brasil. Além disso, quando se fala de transporte de baixo carbono, dificilmente se pensa no pedestre como parte fundamental dessa solução. Ocupar esse debate e mostrar que o pedestre é parte indispensável do futuro de baixo carbono é fundamental.

Walter De Simoni: Quando se fala de transporte de baixo carbono, o imaginário automaticamente vai para soluções mais tecnológicas, como o carro elétrico. Acontece que o pedestre e o ciclista não só são parte fundamental do futuro da mobilidade de baixo carbono, eles são a base de todo o sistema. O transporte ativo não só é um modal importante por si só, mas ele é o conector que viabiliza todo o sistema de transporte público. Essa visão da mobilidade com um sistema multimodal é fundamental para mostrar a importância do transporte ativo no futuro de baixo carbono. Além disso, quando se fala de um futuro menos desigual, mais acessível, mais humano e com maior qualidade de vida o transporte ativo aparece ainda mais como uma parte desse futuro, ganhando espaço de soluções puramente tecnológicas para o transporte individual motorizado. Agora, do ponto de vista prático, a dificuldade é: não se fala sobre esse tema nas discussões climáticas. Ocupar esses espaços, trazer esses temas para a mesa de discussões de clima, é absolutamente fundamental.

AC: De acordo! Diferentemente das realidades dos países desenvolvidos, nós aqui no “sul global” precisamos incluir em toda e qualquer agenda de desenvolvimento a questão da redução das desigualdades, essa é a base de todas as lutas seja em que campo for. A agenda climática é a melhor oportunidade de revertermos erros históricos no nosso desenvolvimento como sociedade e, dessa vez, é fundamental que não repliquemos os mesmos erros que aprofundaram tanto a exclusão social. Para isso é preciso ocupar a discussão climática e sempre pautar questões sociais das minorias e dos mais vulneráveis, no campo e na cidade, pois sem dúvida são as pessoas que já estão sofrendo com as transformações do clima e vão sentir ainda mais daqui pra frente.

2. O Brasil tem avançado na aproximação das pautas ambientais e da mobilidade urbana sustentável? Quais experiências vocês destacariam?

Aline Cavalcante: Acredito que ainda temos muito o que avançar no sentido de entender, quantificar e qualificar os impactos da mobilidade urbana para o meio ambiente, em especial as externalidades negativas causadas pelos automóveis, pelo rodoviarismo e pelo combustível fóssil para desincentiva-los, inclusive tirando seus subsídios públicos. Para mim as melhores experiências brasileiras de conexão dessas agendas se dá justamente no âmbito da sociedade civil e da mobilidade ativa onde nos últimos anos houve um aumento importante de visibilidade, fortalecimento da pauta e marcos regulatórios (como a Política Nacional de Mobilidade Urbana) relacionados à questão dos pedestres, ciclistas e mudanças do clima. Mas, como disse, ainda falta muito pra tirar todos os planos do papel e transformar de verdade nossa forma de enxergar o papel dos deslocamentos nas políticas ambientais.

WS: De fato ainda estamos longe de, na prática, pautar a formulação de política pública de forma objetiva discutindo benefícios sociais e ambientais das políticas de mobilidade. Querendo ou não, o centro dos investimentos em mobilidade ainda são os veículos motorizados individuais e a combustão de combustíveis fósseis, o que trazem consigo impactos negativos de grande magnitude para o clima, para a saúde e segurança da população e para o desenho de cidades menos acessíveis e mais desiguais.

Walter De Simoni: A mobilidade urbana não é exceção em uma tendência da política pública brasileira: temos belos arcabouços legais e jurídicos, mas somos péssimos em sua execução. Explico: a Política Nacional de Mobilidade Urbana cria uma hierarquia de políticas públicas que é compatível com uma visão progressiva de cidades de baixo carbono: primeiro o pedestre, depois o ciclista, depois o transporte público, seguido do transporte de carga e por fim o transporte individual motorizado. Lindo, não? Mas isso não se traduz na realidade: carros ainda ocupam 85% das vias públicas e emitem mais de 70% das emissões de GEE em grandes cidades. O nosso desafio é menos filosófico e mais de implementação. Como tornar isso realidade? Como traduzir isso em investimentos e em redistribuição de espaços públicos? A meta de redução de emissões brasileiras, a “NDC” segue o mesmo padrão: ela menciona apenas de forma vaga que devemos trazer melhorias para o sistema de transporte público. Um dos nossos trabalhos é trazer o tema do transporte ativo pras metas climáticas brasileira e detalharmos o que isso quer dizer na prática.

AC: Sim, é um jogo de “vai e volta” políticas globais, acordos internacionais impactam governos locais e vice-versa. Agora o desafio é conseguir transformar tudo isso em mudanças reais no território. Acredito que não é mais uma questão técnica ou jurídica, a questão é quase que exclusivamente de ordem política, de como vamos conseguir refletir nossos anseios por cidades de baixo carbono e menos desiguais em nossos representantes de governo. E, mais, como vamos participar dessas escolhas e acompanhar esse desenvolvimento que ultrapassa gestões e mais gestões e terão impacto profundo no longo prazo. Não dá mais tempo para a sociedade deixar de se envolver de verdade com as questões políticas de seu bairro, cidade e país. A participação social é o cerne de qualquer transformação profunda no rumo das políticas públicas.

3. Atualmente, chama a atenção o surgimento do debate sobre veículos elétricos como solução para mitigar emissões. Qual a opinião de vocês sobre os impactos dessa adoção com relação às mudanças climáticas e à mobilidade urbana sustentável?

Aline Cavalcante: A eletrificação do setor de transportes é fundamental para um futuro de baixo carbono, mas entendo que é essencial que essa mudança e seus investimentos comecem pelo transporte coletivo prioritariamente. Não dá pra aceitar que o discurso da indústria automobilística — tentando sobreviver — ganhe novamente o debate no Brasil, se não mudarmos completamente a lógica da mobilidade das nossas cidades — e, consequentemente impulsionar uma mudança cultural profunda — usaremos a tecnologia para reforçar um velho paradigma e todas as suas externalidades negativas relacionadas ao uso do automóvel (uso irracional do espaço público, mortes no trânsito, congestionamentos, sedentarismo etc). Considerar apenas a eletrificação do carro como solução para os problemas de emissões no setor de transportes é uma farsa, uma mentira e esse discurso precisa ser combatido em todas as esferas da sociedade.

WS: Faço das palavras da Aline as minhas. Eletrificar é fundamental, mas comecemos pelo transporte público, que como já mencionei é um modal intimamente ligado ao transporte ativo. Utilizar o paradigma do baixo carbono para reforçar a preponderância do carro nas políticas de mobilidade brasileira é um risco real.

Walter De Simoni: Ao contrário de países como a Inglaterra e a Alemanha, o desafio do sistema de mobilidade não é prioritariamente a sua descarbonização. É a sua descarbonização e a ampliação de um sistema de mobilidade que sirva à população, seja acessível, reduza desigualdades e aproxime as pessoas das oportunidades que as cidades tem para oferecer. Temos um gap gigantesco na infraestrutura e serviços de transporte ativo e de transporte público, portanto o desafio da descarbonização muda de forma. Em um ambiente de recursos escassos para financiamento, entender essa diferença é fundamental, afinal, se temos pouco dinheiro público para investir, é melhor investí-lo na expansão do transporte público e do transporte ativo, beneficiando mais de 70% da população, ou investir na eletrificação de veículos individuais motorizados? A resposta parece fácil, embora não seja o que acontece na realidade. Porém, vamos sim eletrificar, a começar pelo transporte público.

AC: O que precisamos ficar muito atentos nesse processo irreversível da eletrificação é pra onde e pra quem vão os financiamentos e subsídios públicos. Esse é o principal debate pois todas as transformações que precisamos passar para termos cidades de baixo carbono exigem necessariamente um esforço enorme de financiamento, público e privado. É primordial que eles primeiro favoreçam o transporte coletivo e traga benefícios de estrutura também para o transporte ativo. A bicicleta elétrica, por exemplo, tem sido muito discutida em outros países e pode ser uma ótima solução para cidades muito sinuosas e também incluir pessoas da terceira idade.

Aline Cavalcante é jornalista, nordestina e empreendedora social que atua na promoção da bicicleta, em especial por mulheres, desde que se mudou para São Paulo em 2008. Atualmente ela é articuladora da Coalizão Clima e Mobilidade Ativa (CCMob), diretora da Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo) e Conselheira Regional da União dos Ciclistas do Brasil (UCB).

Walter De Simoni é economista e cientista ambiental formado pela Universidade de Tufts, em Boston. É especialista em mudanças climáticas e economia verde, com um foco em políticas públicas. Trabalhou como consultor em estratégia corporativa em mudanças climáticas e sustentabilidade em setores como energia, finanças e alimentos. Foi superintendente de Economia Verde no Estado do Rio de Janeiro onde foi responsável por políticas de clima e desenvolvimento sustentável. Atualmente, ele é coordenador de portfólio de transporte do Instituto Clima e Sociedade.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch

Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore

Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store