Como Anda na semana do Pedestre: muitas novidades para os caminhantes!

Como Anda
Como Anda
Aug 5, 2016 · 3 min read

Dia Mundial do Pedestre é celebrado em 8 de agosto, data da foto que estampa a capa do disco dos Beatles atravessando a Abbey Road em Londres

Andar a pé é a primeira grande conquista, aprendizado, marco na vida do indivíduo. É a forma mais democrática, sustentável, saudável e econômica de se deslocar pela cidade.

O caminhar é um direito humano básico, independente de se é feito com os pés, com auxílio de uma bengala, muleta, ou em uma cadeira de rodas. Portanto, quando tratamos do tema estamos também colocando o direito à cidade em pauta e discutindo a forma das nossas cidades, da infraestrutura que garante o ir e vir dos pedestres e que conecta esta rede com infraestrutura de transporte público; estamos tratando do planejamento urbano, da organização das funções da cidade, de seus espaços públicos.

No Brasil, de acordo com dados da Associação Nacional dos Transportes Públicos (2012), cerca de um terço das viagens cotidianas nas cidades é realizado a pé. Ao somar as caminhadas vinculadas ao transporte coletivo, este valor se torna superior a dois terços. Logo, é o modo de transporte mais utilizado em todas as cidades do país.

Cidades caminháveis trazem benefícios tanto para quem caminha quanto para quem vivencia a cidade: promovem encontros, ativam espaços públicos, tornam as ruas mais seguras, aumentam o volume de negócios nos comércios.

A vivência da cidade pelos pés transforma, de alguma maneira, o cidadão em um defensor do espaço público caminhável. Com isso, o caminhar estimula a sociedade a participar das tomadas de decisão da sua cidade ou do seu bairro, promove articulação entre pessoas com objetivos comuns e, principalmente, impulsiona que se coloque o interesse coletivo acima do individual.

Impulsionados por este contexto, ao longo dos últimos anos, passam a surgir cada vez mais grupos organizados que atuam pela mobilidade a pé no Brasil. Assim, a partir da necessidade de compreender este movimento, para entender suas estratégias de atuação para posterior análise e categorização dos dados, em 2016, nasce o Como Anda.

Sabendo quem são e o que fazem as organizações que atuam no tema, é possível identificar as oportunidades e desafios para que os grupos se fortaleçam e se consolidem no cenário da mobilidade urbana, gerando benefícios para a sociedade. Mapear e compartilhar os dados destes agentes é o pontapé inicial para auxiliar a potencializar as atuações e parcerias entre as iniciativas.

Já mapeamos por aqui organizações focadas em crianças, em acessibilidade, em promover passeios a pé, parklets e também iniciativas do movimento cicloativista que atua direta ou indiretamente em mobilidade a pé.

Dos resultados preliminares, já descobrimos muita coisa legal! Perfil e localização das organizações, focadas direta e indiretamente em mobilidade a pé, atuando em vários aspectos e abordagens e muito mais :)

E para celebrar o dia do pedestre, o Como Anda lançará a fase II do site, apresentará os resultados preliminares da pesquisa; lançará os marcos da mobilidade a pé e a possibilidade de “inclua seu marco” — colaborando com essa linha do tempo; promoverá workshops presencial e online com as organizações mapeadas e inspirará as pessoas a publicarem fotos a pé com a hashtag #ComoAnda.

Datas comemorativas além de colocarem foco em temas específicos, suscitam reflexões e chamam a atenção. O pedestre está na agenda, a mobilidade a pé tem que estar na pauta das cidades. O que é importantíssimo para a causa das pessoas que se deslocam a pé, a fim de unir esforços para mobilizar a sociedade e demandar ações efetivas do poder público e privado no intuito de rever a distribuição dos espaços urbanos para circulação e priorização dos pedestres.