Conferência Walk21: apresentações de destaque

De 19 a 22 de setembro de 2017, ocorreu a Conferência Walk 21 que teve como principal missão agregar melhores práticas e iniciativas sobre mobilidade a pé no mundo. Silvia Stuchi (Corrida Amiga) e Ramiro Levy (Cidade Ativa), representando a equipe Como Anda (com apoio de Instituto Clima e Sociedade), estiveram por lá e destacaram alguns momentos e falas dos participantes que mais chamaram a atenção.

Foto: Walk 21

Silvia Stuchi mediou a mesa “Reclaiming Streets for Walking: Testing Novel Ideas and Strategies”, com a presença de Tamara Bozovic (Agência de transporte da Nova Zelândia, Nova Zelândia) e Bronwen Thornton (diretora da Walk21, Reino Unido). Tamara abordou a importância das travessias seguras para que o pedestre consiga realizar seu deslocamento bem como os desafios de se reduzir as barreiras para caminhar em um ambiente desenhado para carros.

Do not plan a bridge’s capacity by counting the number of people who swim across the river”. Tamara Bozovic (Não se planeja a capacidade de uma ponte pela contagem do número de pessoas que nadam pelo rio — tradução livre)

Bronwen, diretora da Walk21, apresentou o projeto europeu “FLOW” que tem o objetivo consolidar o deslocamento a pé e de bicicleta de modo efetivo no planejamento das cidades alvo do projeto.

“O FLOW tem também a missão de ampliar a compreensão predominante de congestionamento: de uma visão que se concentra no tráfego de veículos automotores, para uma perspectiva em que todos os participantes do tráfego (incluindo aqueles que usam modos ativos) são igualmente considerados na rede de mobilidade urbana”. Bronwen Thornton

Fonte: Flow Project

Outro material bem interessante apresentado por Bronwen são os 15 “argumentos rápidos” que desmistificam argumentações de que melhorias para o transporte ativo (a pé e bicicleta) podem gerar ainda mais congestionamento. Ao contrário, são muito benéficas para as cidades e para as pessoas. Confira as 15 pílulas aqui


Foto: Walk 21

A seguir, selecionamos algumas referências interessantes de apresentações realizadas na Walk21, confira:


Steven Burgess (MRCagney) 
“Getting your City into Shape”! Principal autor do Complete Streets — Guidelines to Urban Street Design
1. Complete streets — guia completo
2. Placescore — para avaliar espaços ativos e sustentáveis

Shin-pei Tsay (Gehl Institute) 
Apresentação “Life at 5km/h” (vida a 5km/h)
1. Guideline to measure public Life

Billie Giles-Corti (Universidade de Melbourne)
Vários artigos sobre saúde e desenho urbano
1. Physical Activity and Public Health Practice
2. The building blocks of a ‘Liveable Neighbourhood’: Identifying the key performance indicators for walking of an operational planning policy in Perth, Western Australia
3. Is practice aligned with the principles? Implementing New Urbanism in Perth, Western Australia

Peggy Edwards (Council on Aging Age-Friendly Ottawa and Grandmothers Advocacy Network, Canada)
A importância do desenho urbano para o envelhecimento ativo
1. Age-friendly Walkability Progress Report 2017 Safe Streets For Seniors And Other Valuable Pedestrians In Ottawa
2. Age friendly pedestrian report

Gabrielle Donoff (Universidade de Alberta)
O place research LAB fornece várias metodologias, tool kits e ideias para intervenções lúdicas nos espaços públicos
1. Place Research LAB

Michelle Hardie Murphy (Get Ireland Walking)
Estratégia Nacional e Plano de Ação 2017–2020 para promoção da caminhada na Irlanda
1. Strategy and Action Plan 2017–2020

Calgary Municipality /University of Calgary (landscape architecture and environmental design), 6th Grade Students
Projeto participativo com múltiplos atores para requalificação de espaço público embaixo de um viaduto na 4th Street. Incluiu a Prefeitura de Calgary, Universidade de Calgary (cursos de paisagismo e meio ambiente) e alunos do 6º ano de uma escola nas proximidades.
1. 4 Avenue Flyover Public Space

Se quiser saber mais, veja a programação completa do evento disponível aqui. Em breve, mais relatos sobre a Walk21 Calgary. Aguardem!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.