Marcos regulatórios: O que pode ser feito pela mobilidade a pé?

Como Anda
Como Anda
Aug 26 · 4 min read
Seção sobre Marcos Regulatórios da Plataforma Como Anda

Ao analisar as leis percebe-se que a prioridade ao pedestre está sempre presente nos princípios, diretrizes e objetivos, entretanto, são escassos os dispositivos que efetivamente trazem resultados práticos que qualificam a rede de mobilidade a pé brasileira. Infelizmente, essa rede ainda não é vista como parte do sistema de mobilidade, visão que acaba limitando não apenas a atenção à essa pauta tão essencial para a locomoção das pessoas, quanto também recursos e projetos que priorizem o pedestre dentro desse sistema amplo. Lembramos que ⅔ da população brasileira utilizam esse meio de transporte todos os dias, e seguem com uma infraestrutura insuficiente e insegura.

É diante desse cenário que, na terceira fase do projeto Como Anda (2019–2020), um dos principais objetivos é contribuir para o fortalecimento das organizações que atuam - ou querem atuar - com advocacy/incidência política nas Eleições Municipais de 2020. De acordo com a OMS (2013) advocacy é um termo que costuma ser traduzido como ‘incidência política’ e pode ser definido como um conjunto de ações direcionadas a tomadores de decisão em apoio a um problema específico.

As cidades têm potencial para ter uma boa rede de mobilidade a pé, acessível e segura a todos os seus habitantes e, para tanto, o caminho passa por colocar em prática seus marcos regulatórios, fiscalização e campanhas educativas. A priorização do pedestre deve estar escrita como um objetivo na lei e, acima de tudo, é necessário adequar todo o sistema de sinalização de trânsito, desenho do sistema viário e a gestão dos elementos que compõe a rede de mobilidade do pedestre para que essa priorização saia do papel e realmente seja vivenciada na prática pela sociedade. Desta forma, no que tange aos marcos regulatórios, destacam-se a seguir algumas medidas básicas que podem contribuir para a melhoria dos deslocamentos a pé:

  • Planos diretores e leis de uso e ocupação do solo devem incentivar usos comuns e comércio no térreo com maior atratividade e interação com o espaço público e proibir os muros e pavimentos de garagem junto à calçada;
  • Municípios devem ser cobrados quanto à realização dos planos de mobilidade e devem apresentar prioridade ao pedestre, tal como estabelece a Política Nacional de Mobilidade Urbana;
  • As municipalidades devem divulgar as normas para construção e reforma das calçadas e disponibilizar documentos que as orientem de forma didática, bem como disponibilizar técnicos que possam auxiliar nos casos especiais;
  • Planos de Mobilidade podem prever programas para recuperação de calçadas, instalação de iluminação e sinalização direcionadas a auxiliar o pedestre;
  • Sinalização semafórica deve priorizar o pedestre, diminuindo seu tempo de espera para o pedestre efetuar a travessia e aumentando o tempo hábil para cruzamento da via, garantindo um aumento de usuários que conseguem realizá-lo;
  • As ações cotidianas de operação e fiscalização do uso e circulação dos espaços públicos de mobilidade devem cumprir a diretriz de priorização da mobilidade a pé;
  • Pesquisas de contagens de fluxos e aspectos comportamentais de pedestres são essenciais para embasar o cronograma e a hierarquia de prioridades a serem atendidas a partir das exigências das regulamentações;
  • Calçadas devem ser entendidas como parte do sistema viário e da rede de mobilidade urbana, e assim como ocorre com o leito carroçável, deve ter recursos garantidos para sua manutenção;
  • Planos Diretores devem incentivar bairros de uso misto e maiores densidades, aproximando moradia aos locais de trabalho e estudo, garantindo que o deslocamento a pé seja de fato uma opção viável nos deslocamentos diários;
  • Planos de Mobilidade devem tratar da mobilidade a pé associada às redes de transporte público e demais modos de transporte, garantindo a intermodalidade nos deslocamentos;
  • As municipalidades podem, além do comando e controle, fazer uso de instrumentos de incentivo à população para a conservação da calçada por meio, por exemplo, de desconto no IPTU;
  • O governo Federal poderia estabelecer um programa especial de financiamento aos municípios para que reformem as calçadas de acordo com as normas de acessibilidade;
  • Regulamentações municipais devem estar de acordo e contemplar elementos estabelecidos na Lei Brasileira de Inclusão, Política Nacional de Mobilidade Urbana e Plano Diretor e às normas técnicas;
  • As municipalidades devem abordar formas de financiamento de obras e desenhos institucionais que garantam a existência de uma entidade na esfera municipal responsável por compatibilizar os diferentes projetos para a rede de mobilidade a pé, considerando a variedade de agentes que atuam no território.
  • Por fim, todas as medidas devem ser discutidas de forma ampla e participativa.

Conhece a ferramenta de mapeamento de legislações sobre mobilidade a pé na plataforma Como Anda? Ela foi criada com o objetivo de construir uma base de dados única com a legislação vigente sobre esse tema no Brasil e disponibilizá-la a todos. Foram analisadas as leis estaduais e federais, bem como leis, decretos, planos e manuais. O catálogo inclui documentos federais, estaduais e municipais para nove cidades brasileiras: São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Brasília (DF), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO) e Porto Alegre (RS).

A partir desse levantamento, queremos aprofundar com vocês esse assunto. Acompanhe as próximas postagens que vão compor a série de textos sobre marcos regulatórios da mobilidade a pé no nosso país, visando contribuir para a pauta e também incentivar o fortalecimento e atuação em advocacy durante eleições municipais na sua cidade.


Você conhece alguma ação de incidência política voltada para a mobilidade a pé que poderia indicar? Compartilhe mais informações com a gente através do formulário. Se a sua indicação for escolhida, entramos em contato!

Como Anda é o ponto de encontro de organizações que promovem a mobilidade a pé no Brasil, um projeto em desenvolvimento desde janeiro 2016 pelas organizações Cidade Ativa e Corrida Amiga através do suporte financeiro do ICS. Em sua primeira fase (2016), o projeto Como Anda contou com a consultoria em legislação de Meli Malatesta e Thaísa Froes.

    Como Anda

    Written by

    Como Anda

    Quem promove mobilidade a pé?

    Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
    Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
    Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade