Expectativas

Aproximadamente há dois anos, as constantes frustrações começaram a demandar uma atenção maior e, sendo assim, tentar compreendê-las transformou-se em necessidade. Nesse momento iniciara um processo de mudança de postura diante das expectativas. Isso ainda está em andamento…

Difícil lembrar ao certo das consequências iniciais. Mas impossível esquecer-se do sabor do “agora”, sentido pela primeira vez em muito tempo, naqueles dias. A leveza nos ombros, parecendo fruto de uma sessão quiroprática em uma sala angelical. Motivo de constantes nostalgias propositalmente induzidas. Mas nem tudo ficou preso nesse período. Saborear o agora transformou-se em prazerosa rotina. Assim como o imaginável sentimento das invejáveis pessoas que começam o dia com uma aprazível caminhada em torno de seu bairro. O depois finalmente ficou para depois.

Em meio a isso, uma invasão de desaceleração. Negação de pôr tempo às coisas. De exigir do agora mais do que ele pode oferecer. Viver precisando apenas do que se pode ter é libertar-se da vida mas ao mesmo tempo, vivê-la intensamente. Mas ao mesmo tempo, há um mergulho em um mundo de rostos cansados soando como ondas agressivas a bater no rosto, jogando o corpo de volta, pra longe do belo mar aberto. Tempero de sagacidade para enxergar os barcos que navegam tranquilamente por seus cursos tranquilos. Âncoras sempre distantes de onde a parte mais tímida do mar beija o chão.

Dominar expectativas não consiste em não mais esperar pelo futuro, mas sim, rechear o presente com a companhia de tudo que se pode e se quer ter e ser. Muito cuidado com o ter! O sentimento de abrir mão das coisas jamais esteve presente. Abrir mão de, por algo que não se pode sentir ou não se tem é perder a noção do tempo. O tempo das coisas. Do vosso próprio tempo. É vestir a máscara do rosto cansado. É não ter tempo para caminhar pela manhã.

Mas o amor. Ah! O amor. Este é atemporal. Não pertence ao agora e muito menos ao depois. É sentimento sem lugar. É o lugar onde quero estar. Sem expectativas, mas sem demora. Sem parâmetros, mas sem obstáculos. Quero ele o tempo todo. Em tudo. Quero mar aberto. Espaço infinito para navegar!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Eduardo Marcel’s story.