me recuso

me recuso. assim com próclise no começo da frase. assim do jeito que não devia ser. mas do jeito que é. porque eu não sei falar da forma correta nessas horas. nem quero, na verdade. me recuso. me faço. me beijo.

eu me recuso a ser mais dura. a usar a mágoa como ferramenta de pensamento. a ter mais casca. me recuso. quero poder usar o desamparo como afeto e não o medo. reconhecer a situação de falta e buscar o excesso. quero usar a potência do corpo para buscar mais e não menos.

não quero restringir, cortar, doer, brigar. quero ampliar, emendar, sanar, amar. e isso tudo é difícil e exige trabalho. a gente não sai do nada para isso. a gente aprende a lidar, a começar, a abraçar, a ouvir, a dialogar, a ter o outro como parte da nossa pele, do nosso corpo.

o corpo não é único. o corpo não é meu. ele é nosso. a gente se recusa a estar em situação de falta. a gente busca o completo juntos. a gente ocupa. a gente resiste. a gente tá junto. isso é pra vida. pra arte. pra política. a gente não pode desistir disso. sob pena de deixar de ser.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.