Amadurecimento forçado

Acredito que todas as experiências que a vida lhe proporciona auxiliam de alguma forma no processo de amadurecimento. O ato de amadurecer não está atrelado ao critério de idade, mas diga-se de passagem, é um dos fatores influenciadores, pois com o passar dos dias novos fatos acontecem e são retirados novos aprendizados do ocorrido. 
Eu diria que o meu processo de amadurecimento não foi natural, não que eu condene a forma de como aconteceu, e aliás, nem sei se amadureci. Ao ingressar no serviço público eu não entendia direito o sentido de ter responsabilidades, pois aos 16 anos é o momento de muitas dúvidas na vida de qualquer pessoa, dúvida sobre a escolha do vestibular, sobre o amor, sobre as amizades... enfim... acredito que não tive esse luxo de poder duvidar do que queria, assumi a responsabilidade sobre mim e sobre os meus atos, pois até então os meus pais decidiam sobre tudo - sinto muita falta disso -, e o trabalho que desenvolvia era na agricultura familiar, o qual começou cedo. Isso me impediu inclusive de aproveitar a minha fase do ensino médio, pois o cansaço era constante. À época eu me sentia o máximo, mas hoje percebo que deveria ser tudo diferente.
Vivenciei problemas na minha família desde cedo, como ocorre em todos os lares, e eu tinha muita vontade de encontrar uma solução para tudo o que acontecia de ruim. No entanto, essa busca não parou até hoje, e uma coisa que falta muito é força para lutar. É como nadar contra a corrente. Caminhar sobre a areia deslizante. 
Talvez o meu jeito de tratar as pessoas bem (elas não tem o dever de pagar pelas minhas frustações), as faça acreditar que não tenho problemas, que sou um ser bem decidido. Pelo contrário, lágrimas constantes em simultaneidade com as dúvidas tomam conta de mim. Me sinto impotente por não poder solucionar os problemas que me afetam
 Me sinto inútil. 
Acho que amadureci com o passar dos danos, e há um sorriso que aos poucos se apaga, visto que o desespero toma conta, os problemas engrandecem, e você fica menor a cada dia que passa...

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.