Fechar ciclos

photo by: kyle ellefson

É aquele segredo que realmente ninguém conta a ninguém, nem sussurrando baixinho, e nem prometendo que não contaria a ninguém. Fechar ciclo é revigorante, dá vontade de continuar, viver, e de ser. Mas também me trás preocupações, medo, e sentimentos que emergem e em segundos se esvaem. É incontrolável, digo os ciclos e os sentimentos. Pois tudo é vida que corre dentro de nós desesperada para ser experimentada com todo nosso amor e vontade de sermos o que somos. Imprescindível o amor em cada pedaço dos meus textos, ainda mais quando o amor está mais do que presente no meu peito, e não só aqui, mas até dentro dos meus ciclos. Eu me apego, me apaixono pelas pessoas e pelos momentos, e dói desapegar e simplesmente virar as costas e seguir para o desconhecido. Senti exatamente isso naquele dia que eu caminhava para fora da faculdade, a diferença só é que o desconhecido, na verdade, era de tamanha semelhança que só eu não enxerguei, o fluxo é o mesmo, eu só preciso estar presente e segui-lo como quiser.

Queria dizer de uma maneira tranquila que fechar ciclos é tão simples como a água que cai da cachoeira, ela nunca pára de cair, independente da quantidade de chuva, ou da intensidade do sol. Os ciclos fazem parte de cada dia da nossa vida, cada dia é um novo ciclo, e quanto mais estou aberta e presente para senti-los e para viver cada segundo, mais me conecto com o universo e minha essência. Essa constante conexão me aproxima dos meus propósitos, das minhas paixões, e principalmente, de mim mesma. Quando escrevo sobre isso, sinto uma iluminação tão grande que não saberia dizer em palavras o que é isso. Queria de algum modo compartilhar a calma e o amor que sinto ao escrever.

A tranquilidade de ouvir uma boa música, de olhar na janela e ver aquele contorno da lua, e estar sentada dentro da minha casa escrevendo coisas que para mim significam tanto é parte de uma plenitude do meu ser. O começo desse texto deve ter sido angustiante para quem lê, e que beleza como as palavras se destrincham e transformam em energias tão boas. Agora, exatamente agora, sinto a paz ao fechar o ciclo, gratidão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.