Não duvide.

Não que as cores estejam menos bonitas, elas são infinitas. Porém, lembrei que um dia prometeu vir me visitar. Lembrei de ter te oferecido minha cama, falei que não se preocupasse, eu dormiria no sofá da sala. Lembro que sorriu e disse um não tão suave e decidido. Lembro que me deixou dormir do seu lado.
Você nunca me visitou.

Não questione.

Não que eu esteja bem com toda a distância que insiste em me analisar e me achar capaz.
Nunca fui capaz.
Estou preso a você, sempre estive. Me libertar de ti é cortar, lentamente e dolorosamente, os melhores dias da minha vida.

Não pergunte.

Não pense em mim como alguém que superou. Como se supera alguém com suas virtudes e defeitos!? Você é a mistura mais cruel de uma escorpiana, libriana e geminiana. Ainda assim eu não poderia suportar desatar de ti.
Você é a vela que guia a minha paixão.
Você é a âncora que me pressiona as margens da saudade.

Não se lembre.

Deixe todos os segundos presos a mim. Deixe que eu morra e renasça todos os santos dias que não fazem jus as orações jogadas ao vento.
Torço que qualquer que seja o toque em sua pele, que este toque não seja menos intenso que os que sonhei tocar. Que cada beijo que sentir, possa ter um pouco do gosto que desejei desesperadamente te entregar em doses exageradas.
Não, não quero que pare de doer. A dor é tudo o que me liga a você.
A saudade é a única forma de não esquecer os momentos que juramos fazer acontecer.
Nunca aconteceram.

Não me deixe.

créditos da imagem: pixabay.com

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.