Oh Capitão!

ou Rondeau's fever.

Por águas turvas, navegamos para longe, bem longe deste terrível mar assombrado pelo antigo medo das opiniões divergentes. Meu pequeno barco furado, continua de pé e com destino ao desconhecido ele parte. Já perceberam, como qualquer opinião que não seja contraditória a sua, acende uma pequena chama dentro de você?

Reprodução (Tumblr)

Pois bem, essa pequena brasa, nada mais é que o ardor que sua alma produz dentro de você. Ele te aquece nas melhores horas, te fazer sentir morno durante as tempestades. Embala teu sono como ninguém! Mas como tudo nesta vida é necessário ter cautela, o pecado do excesso pode acontecer, da mesma forma como um balão pode causar um incêndio em qualquer floresta.

Provavelmente nesta altura do campeonato, devem estar se perguntando: "Como resistir a ternura dos abraços quentes e dos beijos síberianos?" O meio termo sempre existiu, de olhos fechados, você que nunca abriu os olhos. Refiro-me a enxergar, sem julgamentos ou preconceitos, estabelecidos por vocês mesmos. Compreenderam que a verdade os libertará, digo isso completamente sem focar no aspecto religioso.

Pedras que não rolam criam limo, fogo que arder sem se ver, Geleiras que derretem ao Sol de meio-dia junto das matas que florescem ao anoitecer, sempre estarão aqui. Quem controla nosso próprio destino somos nós. E também, somos nós quem ateiam fogos em nossos próprios corpos, sem pensar duas vezes, todos os dias quando no final do dia colocamos nossas cabeças nos travesseiros e dormimos tranquilos.

Steve Z. sendo sincero.

Todo cuidado, nunca será pouco, enquanto houver a chance de em algum momento ouvirmos o canto da sereia, e cairmos dentro da mancha de óleo do Oceano Pacífico. Em outras palavras: "Cair no X da questão de problemas fractais" Estaremos aqui gritando por socorro, para nunca mais nos afogarmos novamente dentro de nossas próprias banheiras.

Preencha seu pulmão com o mais fresco possível e olhe no espelho. É possível perceber a diferença? Pra mim ela nunca existiu, pois de mesmo mar somos filhos, prole imperfeita de teus rios. Envenenados pelo prazer próprio de ter mais um dia.

O Cavaleiro de Copas (Tarot de Praga)

Na efemeridade da vida, não somos Dâmocles, mas sim a Espada que está presa à um fio de cabelo prestes a se romper. Parsifal vai continuar na sua peregrinação até entender que ele mesmo é o próprio "Fisher King". Simbad continuará, de barco em barco, viajando por 1001 noites. Ícaro persistirá em cometer o erro de olhar diretamente ao Astro-Rei e como consequência ficar cego. E lastimavelmente, Eros & Thanatos continuarão, na eterna luta entre si. Os Bogatyres serão para sempre os cavaleiros-viajantes…

Por fim digo à mim mesmo todos os dias: "Meu cavalo deve perder. "