Frontal.

Frontal com água, Frontal com leite, Frontal com Fanta como diria Jorge Furtado em um conto. Frontal, Calabokitos. “O abuso desse medicamento pode causar dependência” Tarja preta, receita controlada. Tomava Frontal como quem comia M&M’s, ansiolítico hipnótico, óbvio que ia me dar um puta efeito colateral. Sono, muito sono. Mas pensava que se dormia não me rendia ou renderia as coisas que estava exposta. Dor, sofrimento, mágoa, melancolia. F-r-o-n-t-a-l Frontal sublingual, efeito mais rápido. Há 5 dias a dose foi reduzida. Tenho largado cada vez mais dessa companhia. A que transformava o caos em cais, mas me cobrava um preço caro. Grogue, raciocino lento, burra. Isso, tinha dia que eu estava burra. Tira de mim meus sonhos, tira a credibilidade que dou em pessoas mas não rouba meu intelecto. “Frontal você tá me fazendo mal” – eu repetia – vou pro sexto dia com uma dose menor, e é pro sexto dia que a palavra do momento é Resist.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.