TERROR!!! \o/

Porque todo mundo que estuda na USP é burro pra caralho parte 2: O RETORNO DE JEDI

Dessa vez é “porque” junto porque não é mais uma pergunta.

Daqui pra baixo as repercussões dos próprios Uspianos ao artigo anterior que vc pode ler clicando aqui.

Eu penso que essas respostas aqui pra baixo são demonstrações práticas do que eu disse lá.

Pegue seu baldinho pra vomitar nele e não no seu computador e leia essa merda se quiser. Se não quiser eu vou compreender, porque ninguém merece ler um negócio desses. Leia por sua conta e risco e se morrer de desgosto não me culpe, porque eu avisei.

Vai lá, rola essa página aí pra baixo mas já prepara aí uma música da hora, uma comida que vc goste, abraça a sua namorada… já deixa algo que te deixe muito feliz aí à mão pra vc fazer depois de ler isso daqui, que vc vai sair desgostoso com a vida de ler isso.

Uspianos analfabetos, parte 1:

Ihhhhhh, postei lá no terreiro dos Uspianos, uspandeiros, e uscavaquinhos, e não é que apagaram? :D

Apagou, assinou embaixo! :)

Mas o que é mais legal é constatar a completa incapacidade de adereçar um ponto simples, que é o ponto central do texto: Quem custeia determina o que é ensinado. É só resposta ressentida, ninguém encosta no problema, só me xinga.

Esse é o aluno da USP: um incapaz completo.

kkkkkkkkkkkk e segue o baile! Um é um playboy pra quem a sociedade tá pagando pra ficar ainda mais mimado e burro do que já é, e o outro é Nailton!

NAAAÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍTON SENNA DO BRASIL!!!

HAHHAHAHAHAHAHAHA “PALAVRIADO”! \o/

Teve tb esse animal que não sabe ler, daí comenta só a figurinha:

Olha a carinha de inteligente dele, e nem esconde a vontade de submissão que é o motor da próprio ressentimento: “Pró Monarquia”, ele quer um rei pra mandar nele! :D

E teve esse analfabeto funcional com a foto da Maísa, que primeiro disse que era uma aposta que tinha perdido, depois falou que era “privacidade”. Ele me xingou muito mais do que isso antes, isso aí é só o finalzinho. Evidente que um bosta desse tem é vergonha da própria cara, e ficou histérico porque o discurso do forte desperta o ressentimento do fraco.

Mas enfim, nessa hora aí foi priceless, que ele claramente achou que eu falei “escrevesse” com se fosse o uso que se faz do pretérito perfeito do indicativo “escreveste” no nordeste, e deixou o preconceito linguístico, tão condenado nos meios progressistas, tomar conta e tentou me ofender com isso. Rato, né? Analfabeto e preconceituoso, que desgraça uma pessoa dessa. E obviamente não era isso:

E finalmente, o malandro que comentou embaixo lá do artigo original “Generalizações, generalizações…” que eu nem vou responder uma besteira dessa pra não sujar minha timeline aqui do Medium que lugar de barraco é o facebook, mas é tb outra demonstração autoevidente da incapacidade cognitiva e argumentativa dos Uspianos.

É claro que esse texto aqui é uma generalização, é um texto de internet, não é uma tese de doutorado.

Aí vc vai no facebook do cara pelo link aqui do Medium, e a primeira coisa que tem na timeline dele é isso:

Teve muito mais que isso, eu comecei a postar o link daqui lá no facebook tem umas 4 horas, e já deu 2.5k views, nêgo chorou MUITO e tá chorando lá ainda, mas eu tenho coisas mais prazeirosas pra fazer do que ficar printando gente retardada o dia inteiro, e o que rolou até aqui já é mais do que suficiente pra ilustrar meu ponto.


Uspianos analfabetos, parte 2

O Uspiano, seja ele de que ideologia for, direita ou esquerda ou centro ou nenhuma, não é capaz de identificar a idéia central de um texto, que no caso aqui é: quem custeia define a tendência, o Meio é a Agenda.

Não conseguir identificar a idéia central de um texto é precisamente a definição de analfabetismo funcional:


Uspianos analfabetos, parte 3: Voltei lá no terreiro dos Uspianos, com toda educação do mundo, e a resposta foi essa:

Daí agora que vem o angú de caroço: Apareceu um cara, que respondeu isso daqui no comentário da Margareth Tatcher:

Eu ia responder que o estado natural do Homem é a pobreza material, e que mesmo os que não querem produzir podem se beneficiar, afinal essas pessoas não comem? Não vestem? Não moram? E blablablá etc que quem estuda já sabe como é.

Só que aí enquanto eu estava respondendo, a Ana Freitas colocou assim lá embaixo “Então vou exercitar aqui a minha tirania dominical.”

Ainda deu tempo deu perguntar “Vai apagar? Não posso nem responder o Doritz Jacques?”

E ela respondeu “Responde inbox”

E apagou o post.

Isso já seria o cúmulo da escrotidão e da resposta ressentida, não fosse isso daqui ó: Cês sabem onde a Ana trabalha?

E ainda coloca uma foto de capa como se fosse uma pessoa super pacífica e calma e tolerante, lendo na praia.

Como pode uma pessoa estar no Ministério Público, com essa cabeça de tirana? Onde é que nós estamos? Isso é conceito de Justiça de uma pessoa que é um Operador do Direito? A gente paga compulsoriamente essa pessoa pra ela atuar na sociedade assim?

E que programação é essa que é incutida na cabeça dessas pessoas a ponto delas não terem nem senso do ridículo e vergonha de agirem dessa maneira? Porque isso não me machuca em nada, isso é SE destruir, é deixar claro pros outros que é uma pessoa injusta, desonesta intelectualmente, e que não tem a menor condição de levar um debate numa boa, na esportiva, como deve ser.

E que caceta de “Partido Pirata” é esse, que tem operadores do direito funcionários públicos que acham que podem limar discurso dos outros? Quais são as reais intenções dessas pessoas?

Será que eu tô tão certo assim?

Será que eu sou o Sócrates, cara?

Porra, não é possível. Mas já? Com 32 anos?

Eu fico receoso de colocar essas coisas aqui, porque se na irrelevância do facebook, mas às claras, essa pessoa já demonstra esse disposição pra desonestidade intelectual, eu tenho todo direito de ter receio a respeito de como essa pessoa se comporta no trabalho.

Que é um trabalho que atinge a vida de todos nós, esquerdos, direitos, anarquistas, democratas, sem opinião, ricos e mendigos, TODOS!

Mas eu não posso deixar de colocar essas coisas aqui, sob pena de não conseguir dormir de noite. Ainda que eu fique sob o risco de ser atacado por ela, seja através da posição profissional que ela ocupa, ou seja da maneira que for.

Então se for o caso dela querer abusar da autoridade que foi pelo povo conferida a ela, na crença de que ela seria uma pessoa justa, pra me atacar, tentando fazer parecer que foi outra coisa pra me admoestar juridicamente, bem…

Que venha a minha cicuta, tô pronto. Melhor morrer de pé do que viver ajoelhado, né? Já dizia o Che Guevara. :D

E tb seria uma excelente oportunidade pra escalonar as coisas e distinguir o certo do errado nessa conversa toda.

Porque depois dessa, não resta dúvida nenhuma: Uma sociedade assim está MUITO doente. E precisa mudar urgente.

Não mudar, desse ponto pra frente, é abrir mão de toda e qualquer Liberdade pro indivíduo, e sem Liberdade a vida não vale a pena.

Não passarão!


Uspianos analfabetos, parte 4 já com o saco batendo no joelho:

Depois de colocar os prints aqui eu tentei avisar a Ana que ela estava citada aqui, não só pra avisar mesmo em nome do bom combate, mas tb pra dar a ela o direito de resposta devido.

Só que ela me bloqueou, como dá pra ver pela falta da janelinha de resposta no messenger com ela:

Se alguém puder avisá-la pra mim, vou deixar aqui o link pro perfil dela, avisem-na por favor, obrigado >>> link

C.Q.D. :)


Bonus Track: Um professor da USP explicando esse lance do Meio ser a Agenda. Evidente que esse é exceção absoluta no ambiente, esse é ótimo.

Mas até no cocô, se vc catar, tem milho. O Clóvis é o milho.


Bonus Track 2: “I’m the 1%, lets talk. :) ”

E a versão completa da mesma conversa, com quase duas horas. HAJA SACO PRA TOCAR ESSE GADO QUE NÃO QUER LIBERDADE DE JEITO NENHUM, MEU DEUS DO CÉU! \o/


Bonus Track 3: “INVEJA E GRATIDÃO, e outros trabalhos”, da Melanie Klein.

Porque as razões de todo esse ressentimento histérico estão aí, todas:

O link pra baixar o pdf >>> link

Por enquanto é isso.

Por enquanto. Se a gente não fizer nada, podem esperar bem mais.

Bem mais merda, e bem menos Liberdade.


UFA! CABOU! \o/


Show your support

Clapping shows how much you appreciated Costa Lara’s story.