São os filhos que escolhem os pais

Me lembro quando era pequena, uma garotinha de 5 anos. Estava sentada no sofá da sala comendo um pacote de fandangos.

Comia um e colocava o outro no sofá. Comia um e colocava o outro no sofá, e ria…

Mamãe veio até onde eu estava, sentou ao meu lado e começou a comer os fandangos que tinha deixado no sofá.

Olhei pra ela e disse: Não mãe! Esses são do Bichita! Você assustou ele!

Mamãe olhou pra mim e perguntou: Aonde ele está agora?

E eu respondi: Foi pra debaixo da mesa. Tá assustado!

****

Iniciei o texto com este diálogo, para introduzir esta reflexão.

Quando eu era pequena, conversava com dois espíritos. Um eu chamava de Bichita e o outro de Gaga. Os outros pais, diziam para minha mãe que eram meus amigos imaginários, eu brincava com eles todos os dias, ouvia muita coisa que me contavam, e para uma criança que estava iniciando a vida, achava completamente normal essa interação.

Um dia, eles foram embora. Simplesmente pararam de conversar comigo.

Minha mãe, observou que não falava mais com o Bichita, meu amigo preferido!

Respondi, tranquilamente que meu amigo tinha ido nascer lá no Japão.

Minha mãe ficou intrigada e me questionou como sabia.

Respondi com a sabedoria das crianças: ué, mãe, ele me contou! Ele disse que era pra ser meu irmãozinho, mas como eu queria muito nascer nesta família, ele deu o seu lugar pra mim.

Disse isso e fui brincar, deixando minha mãe com essa informação tão preciosa.

O fato é que Minha mãe fez uma cirurgia para não ter mais filhos depois do meu parto. Realmente não teria como eu nascer, caso o outro espírito encarnasse antes de mim.

O mais surreal de tudo isso, é que anos depois, mamãe foi consultar uma cartomante que disse à ela que o jogo mostrava três filhos, não dois. Imediatamente lembrou de nossa conversa de criança.

Existe muitos mistérios no mundo sutil que ainda não conhecemos. As crianças lembram de muitos destes mistérios até certa idade, depois esquecem…

Eu tive a sorte de sempre me lembrar que foi eu que escolhi minha família. Que quis nascer naquele lar, e ter meus pais como guias nesta vida!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.