Se preferir, pode ler ao som de “snow

. Segunda feira, 6:45 am, olheiras, uma ligeira tendência suicida, provocada pela interrupção de um sono pesado provocado pela bebedeira da madrugada anterior. Tudo isso já era rotina em sua vida, ele já sabia todos os passos lentos e rastejados que daria aquele dia. De dentro do ônibus via tudo passar, as mesmas casas, os mesmos prédios e às vezes até as mesmas pessoas, o que é algo bem raro quando se vive na capital, todos no piloto automático, seguindo sua rotina.

.

. Mas esta segunda foi diferente, foi diferente pois ela estava lá, alguns metros à frente, fones no ouvido, uma expressão de quem estava apreciando e analisando cada nota da música misteriosa que tocava, botas coturno, uma saia rodada no joelho, jaqueta de couro e várias tatuagens espalhadas pelas partes visíveis de sua pele. O tipo de mulher que inspiraria qualquer músico, como ele a compor canções com o coração partido. Ela era escandalosamente linda, e tudo que ele conseguia pensar era “de onde surgiu essa guria”.

. Sentia uma atração incondicional por ela, e foi aí que aconteceu, ele não sabe dizer se foram dois segundos, dez ou um minuto, mas neste momento os dois olhares se encontraram, se encontraram e se conectaram de uma maneira transcendental, como se ambos estivessem tão perto que poderiam se beijar e transar loucamente por ali mesmo ou começarem a lutar, uma explosão de sensações e de desejos estraçalhava sua mente, e quando se deu conta, seu desejo não era somente carnal, ele se tornou emocional, aquele olhar instigante o fazia querer conhecê-la, saber de cada loucura que a perturbava e também compartilhar as suas. Nunca na vida ele havia sentido conexão tão forte com alguém, e tinha toda certeza do mundo que ela sentiu o mesmo, ele via naquele olhar, ele via o quão foi significante pros dois. Então o ônibus parou, simultaneamente, os dois pareciam ter acordado de um transe, com a força dos freios sendo acionados, ela olhou pela janela e saiu lentamente olhando pra trás.

. Ele nunca mais a viu, mas perdeu a conta de quantas noites virou pensando em encontrá-la, torcendo para o destino cruzar os dois mais uma vez, e ter não somente aquela sensação que seu olhar causou, mas também devora-la, mentalmente e sexualmente.

Like what you read? Give cristian a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.