Maria Madalena

Corruptores de Deus…

Há uma crise ética no Brasil e isso ninguém conseguirá desmentir. Por mais critico que possa ser aos meus textos, não é possível crer que o problema moral no Brasil está apenas entre a classe de políticos profissionais (o que já soa como gigante absurdo aos ouvidos de quem compreenda o que significa ser POLITICO) mas abrange a todos e todas, desde o mais simples cidadãos até o com a maior responsabilidade na nação pois somos um um país corrupta, somos uma nação de gente que quer se dar bem.

Talvez você fique ofendido com isso e tente se justificar com uma lista interminável de objeções a essas minhas afirmações que estão sendo dirigidas diretamente a cada um de nós (eu mesmo, inclusive) e não me surpreende você ficar indignado, pois eu também fico, eu também procuro no meio das minhas gavetas e dos meus armários, revirando roupas e documentos, alguma coisa que eu possa apresentar como argumento que comprove a o quão puro nas minha intenções eu tenho sido, e como não posso ser acusado assim, por um desconhecido na internet. Reviro tudo, deixo uma bagunça ainda maior do que estava antes de começar a a procurar, e no final da busca eu estou sentado em meio a todos os meus sentimentos, todas as minha intenções jogadas pelo chão, e sem nenhuma argumento válido para reivindicar a minha santidade, e como consequência dessa constatação, minha mais lógica ação é: CORROMPER DEUS (o que?) é isso mesmo… Tentar corromper Deus! Criando uma fina e delicada película de santidade instantânea a que se manifesta no meu falar, nos meus gestos… Sendo irrepreensível em dar dízimos e apontar falhas alheias, decorando citações de pensadores cristãos e do próprio texto bíblico, de maneira que eu possa mostrar ao mundo o quão santo eu sou o quão distinto dos demais eu sou, no objetivo único de me colocar distinto, do alto de um púlpito imaginário que eu crio com esse acumulo de atitudes que no final das contas, apenas e tão somente, colocam Jesus de lado e colocam meu ego, numa atitude meritocrata, no centro, com as luzes apontadas pra mim mesmo… Atitudes que tentam mostrar pra Deus o quanto eu sou capaz e o quanto Ele estará perdendo se me deixar pra trás.

Fatalmente, Deus, não é homem, Deus não tem preço (por mais que muitos pastores neo pentecostais achem o contrário) e não fica impressionado com o que eu faço, não coça o queixo e pensa: “Esse garoto tem futuro” ou qualquer coisa assim… A relação dEle comigo não se estabelece por meio dos meus méritos e das minha capacidade, Deus se relaciona comigo por meio de uma ponte chamada, GRAÇA, o que é, por definição, o extremo oposto de mérito, e GRAÇAS a Deus, eu não tenho, nessa relação, nenhum mérito, nada que me deixe SEPARADO dos outros cristãos e é pela graça que eu me entendo cristão, me entendo devedor e me entendo IGUAI, igual aos fracos, aos pecadores, aos devedores….mais que apenas IGUAL, eu sou UM DELES, sou mais um que precisa de cristo para se salvar, ou fatalmente estarei fadado à morte eterna. Sem a graça de Deus, nada do que eu faça é suficiente… Com a Graça de Deus, mesmo sem ser nada, faço parte do corpo…

Ainda assim… Todos os dias, sou tentado a tentar me destacar, subornando Deus com minha ridículas atitudes de santidade…

Seres humanos ridículos que somos, sem a GRAÇA, sobraria de nós, apenas o que podemos fazer… NADA!

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.