CAMPO ISLÂMICO PARA TREINAMENTO DE CRIANÇAS TERRORISTAS FOI DESCOBERTO NO ESTADO DO NOVO MÉXICO, EUA. O OBJETIVO ERA TREINÁ-LAS PARA COMETEREM CHACINAS EM ESCOLAS.

Foi preso, no começo do corrente mês, Siraj Wahhaj de 39 anos, filho de um dos mais proeminente líderes islâmicos dos Estados Unidos. Ele estava em Amália, Novo México, treinando 11 crianças em um campo de tiro improvisado e com o objetivo de praticar chacinas em escolas nos EUA. A notícia escandalizou os moradores locais e, não por acaso, simplesmente deixou de ser divulgada pelos diversos órgãos da grande mídia norte-americana como, por exemplo, a CNN.

As 11 crianças submetidas ao treinamento islâmico terrorista ainda eram expostas a intensa fome. O FBI investiga a morte de uma delas, o próprio filho de Wahhaj de apenas 3 anos de idade. Ele possivelmente foi morto por ser deficiente, o que levou o pai a acreditar que a criança estaria possuída por demônios.

É claro que uma notícia tão terrível prejudicaria, sobremaneira, a falsa narrativa de pacíficos com a qual a grande mídia democrata (esquerdista) tanto tenta rotular os imigrantes islâmicos. Afinal, não se trata de um fanático qualquer, mas do filho de um líder religioso que conduz uma imensa mesquita no Brooklyn, Nova York, e que faz parte da Aliança Islâmica Norte-Americana. É uma conduta infame que não respeita crianças inocentes e que deseja agir justamente no calcanhar de Aquiles da segurança nos EUA: as escolas infantis por serem zonas livres de armas de fogo.

Como a mídia brasileira, também dominada pela esquerda, jamais iria noticiar esse acontecimento extremamente preocupante, venho, em primeira mão, divulgar essa triste realidade. Acontece que, agora, ao sacrificar a verdade no altar do politicamente correto, a grande mídia norte-americana supera, e muito, a esfera da simples vigarice, constituindo-se em verdadeiros partícipes do terrorismo islâmico mais sanguinário, uma vez que criam um ambiente mental ludibriante que impede os cidadãos de bem de preparem-se para se proteger.