Fazer o bem ainda é a melhor jogada

A falta de memória e de reconhecimento/gratidão não devem desestimular nossa jornada. Essa situação faz parte do “jogo da vida”…

Sinceramente, não há como negar que bate um desânimo quando nos decepcionamos com amigos e parceiros de longa data. Como já falei algumas vezes em outros textos, o “jogo da vida” sempre gosta de nos surpreender — seja positivamente ou negativamente.

Engraçado observar como algumas pessoas realmente mudam diante do sucesso e do êxito em suas empreitadas. De coração, meus votos por infinitas realizações, mas me preocupa pensar naqueles que esquecem rapidamente da luta e das dificuldades vividas para chegar ao tão almejado resultado.

Manter os pés no chão e o equilíbrio emocional talvez sejam algumas das mais árduas tarefas do “jogo da vida”. Tudo pode mudar repentinamente. Por isso, a humildade faz toda a diferença SEMPRE.

Por mais lugar comum que seja, é fato que sozinhos não somos nada. Reconhecer o apoio, aquele estímulo e presença nas horas mais complicadas é, no mínimo, dar valor a cada vitória acumulada.

Gosto de ser parceiro, somar junto e acompanhar os voos bacanas de pessoas que cruzaram ou fazem parte da minha história atualmente. O prazer de fazer o bem a alguém é indescritível, realmente é um sentimento de realização plena.

Por outro lado, em determinados momentos, faz falta a contrapartida. Quando se estende a mão, acredita-se que nasceu ali uma cumplicidade, uma união de esforços capaz de resistir a tudo e qualquer situação.

A decepção é parte integrante do “jogo da vida”, mas não deve se transformar em mágoa e ressentimento. Trata-se de aprendizado. Seguimos em frente, mais dispostos ainda a encarar obstáculos e fazer a nossa parte em prol de outros companheiros que vão cruzando o nosso caminho.

Por mais difícil que pareça, o que vale é a nossa consciência e a certeza de que fazer o bem ainda é a melhor jogada…

Até mais, tchauuuuu! #tamojunto

Show your support

Clapping shows how much you appreciated #tamojunto’s story.