Sobre feminismo e pelos

O feminismo está cada vez mais falado… mas sempre quando eu escutava eram mais críticas de quem não gostava do feminismo do que sobre o feminismos em si. Hoje estou vendo muito mais ações, projetos, protestos… ou seja… só coisa boa. E isso me deixa muito contente, porque as redes sociais estão fazendo o seu papel de informar… e por consequência… diminuir os preconceitos e intolerâncias.

Bom… eu já fui preconceituosa sobre o feminismo. Hoje mudei muito minha forma de pensar e pretendo mudar ainda mais.

Mas lógico que nem tudo conseguimos de uma hora para outra. Acreditar que mulheres podem usar calças, dirigir carros, ganhar mesmo salário que os homens, fazer qualquer trabalho que ela quiser (desde chefe de empresa a operadora de guincho), que podem usar a roupa que quiser, que o corpo é dela e as regras são delas também… essas coisas para mim não são difíceis.

Mas não é de hoje que vejo artigos falando sobre mulheres que não se depilam. As axilas eu não acho estranho. Já vi ate mulheres que pintam e achei super legal… mas as pernas é algo que ainda não me acostumei. Lógico que acho que as mulheres que fazem isso são super corajosas… se bancam… admiro isso… o problema é quando eu penso se eu conseguiria fazer o mesmo.

Eu apoio, vivo postando e divulgando… mas no fim do dia sou eu que me raspo no chuveiro. É muito difícil superar uma cultura imposta que já está enraizada em você. Você entende, você defende… mas na hora do “vamu vê” a bagaça complica.

Sou a favor da diversidade. Acho que quem quer deixar crescer deve deixar crescer, quem quer raspar tem que raspar… e cada um viver sua vida feliz e respeitando a felicidade do outro também.

Mas será que eu quero me rapar? Ou a sociedade me fala que eu quero raspar?! Então… será que você que fala que gosta de raspar…. na verdade não se deu a oportunidade de não raspar para ver como é?!

Vale a pena ler esse artigo:

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.