Rio Cidade Livro: Lendo a Cidade. Explorando Livros.

Rio Cidade Livro: Lendo a Cidade. Explorando os Livros.

O projeto de cartografia literária Rio Cidade Livro será lançado dia 6/11 em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro.

Qualquer história, seja ficção ou não ficção, quando ambientada em lugares do mundo real, dá uma sensação de colorido à narrativa, parece quase de verdade, é como se a gente quase conseguisse tocar. Imagine se essas histórias fossem mapeadas e que pudéssemos achar facilmente os locais, passar por lá ou simplesmente olhá-los pela internet, em uma verdadeira conexão entre o livro e o mundo físico.

Seria legal, hein? Seria não, já é!

É essa experiência que o projeto Rio Cidade Livro vai proporcionar aos leitores do Rio, do Brasil, do mundo inteiro. Diretamente de um smartphone, tablet ou computador, você acessará mapas digitais com diversas indicações de cenas, personagens, dados históricos e curiosidades de obras da literatura brasileira que se passam na cidade do Rio.

É tanta informação interessante que a sua imaginação vai longe.

Você terá uma sensação de realismo podendo acompanhar os passos dos personagens de vários clássicos da literatura brasileira em um movimento vivo.

Legal, não é?

Se você quer fazer parte dessa experiência, visite nosso site, conheça mais detalhes sobre o Rio Cidade Livro, cadastre-se (gratuitamente) e seja um dos primeiros a serem avisados quando a plataforma for aberta ao público.

Garantimos: você vai se surpreender.

O primeiro romance “mapeado” será O Cortiço Anotado, edição comemorativa de 125 anos da obra-prima de Aluísio Azevedo, que faz parte da Biblioteca Rio 450 anos.

A propósito, para celebrarmos ainda mais o lançamento desse livro, estamos preparando um evento on-line junto com o pessoal do Medium em Português. Anunciaremos em breve.

Enfim, amigos, o Rio que já era Cidade Maravilhosa, a partir de novembro também será Rio Cidade Livro.


Para saber mais acesse o site oficial do projeto http://riocidadelivro.com.br.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.