O fosso e o vento

Tulio Custódio
Sep 20, 2018 · 1 min read

A marola dos ventos neoliberais, enquanto uma racionalidade para os lados de cá, periféricos, determina gotas de orvalho férteis para o maior nutriente de nossas terra: colonialismo. E colônia é sobre divisão, partição, compartimentalização. É sobre guerra e raça.

Consenso, “cordialidade”, o “meio do campo” nunca existiu nas colônias; e quem acredita que isso é possível é porque está no lado das ilusões construídas nos simulacros do concreto — fruto, acreditaria, das mesmas condições de abstração e fantasmagoria que orientam exponencialidades do capital.

O fosso está aberto há muito tempo. A marolinha ajuda a perceber. Uma disposição não cria, e sim encontra condições para existir. “Tatu não sobe em toco”, mas o toco é produção da implicação do ser humano na natureza. O machado que fez o toco é o mesmo que matou o tatu, e a técnica para cria-lo é a mesma que dissipou a ilusão do meio, do consenso.

A ver, portanto, que nem a polarização e nem o lacrimejar são dos ventos.. Mas do que estava interno aos buracos falseadamente tapados, antes estabelecidos. O fosso está aberto, de novo.

Tulio Custódio

Written by

Sociólogo, Sócio e Curador de Conhecimento na Inesplorato. Mais: about.me/custodta ;)

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade