Para além do viés…

Tulio Custódio
Jun 27 · 3 min read
Foto campanha The Look
The Look

O vídeo “The look” de uma campanha feita pela P&G é uma peça que vale a pena ver. Vale lembrar que a P&G já possui vídeos anteriores que vão nessa pegada, como o “The Talk”.

The Talk

No caso de The Look, É interessante ver a representação de um homem negro para discussão de preconceitos (o que informa o viés) e discriminação (o olhar e movimento dos corpos em negação à presença e reconhecimento da presença daquele homem negro).

O vídeo é ótimo. MAS, para vê-lo com olhar mais crítico, acredito que vale levantar dois pontinhos:

  • É interessante enxergar que o “traço de humanidade”, ou exercício empático com o qual se propõe à audiência para o personagem passa pelo intersecção de raça e classe. O lugar que ele ocupa na sociedade (como um juiz, ou seja, alguém em cargo de alta hierarquia social de prestígio) parece destoante do tratamento que ele recebe, e alça-lo no final como “juiz” menos ajuda que atrapalha. O reconhecimento de sua humanidade fica atrelado e essa posição, e as demandas que a luta anti-racista sempre colocaram é a possibilidade de existir “sem ressalvas” (mesmo que, sabemos nós, tais ressalvas não garantam nenhum tipo de inserção plena). Ou seja, a condição de juiz (ou de classe/ posição) não deveria ser a garantia de que o personagem merecia um OLHAR mais cuidadoso e humano das pessoas que aparecem nas diferentes situações nas quais ele aparece sendo discriminado. Ah, isso nos leva ao segundo ponto…
  • O tema viés inconsciente está ali, mas não é a única resposta sobre o vídeo. Precisamos chamar as coisas como elas são, e o que ocorre ali é discriminação! O que vemos são pessoas AGINDO, RESPONDENDO a partir de gestos, movimentos e ação, inclusive simbólica, à presença de um corpo negro, ou seja, a uma dinâmica racializada. Nesse sentido, apesar de viés ajudar a entender como que julgamentos pré-racionalizados ocorrem, embebidos em uma cultura da supremacia branca colonialista, o OLHAR (título inclusive da peça) já é uma prática discriminatória. O Olhar é um movimento, uma ação, e ele não pode ser minimizado ou “encoberto” pela ideia de viés.

É importante sublinhar isso pois muitas vezes usamos o debate (cada vez mais pertinente e ganhando atenção e corações no mercado) de viés como uma grande guarda chuva, que encobre uma realidade desconfortável que deve ser nomeada como ela o é: racismo, machismo, classismo, lgbtfobia, entre outros. Uma das forma de mudar as coisas que acreditamos não serem boas é compreendendo e nomeando elas como de fato o são.

Dito isso, vale a pena ver essa peça e entender que diversas pessoas são seus marcadores (como raça, gênero, classe, sexualidade, condição física) que “chegam antes” da oportunidade de a pessoa falar qualquer coisa ou simplesmente se colocar, e destilam uma série de preconcepções e arbitrariedades de julgamento. E isso é muito desconfortável de se reconhecer em sociedade, mas é uma realidade que precisamos lidar. E mudar. Sejam os gestos, os olhares e principalmente a forma de pensarmos a tudo e a todos.

#TalkAboutRacism #ChamePeloNome #SayitsName #CombateaDiscriminacao

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade