Aquele não sou eu

Eu não entendo o que eles querem de mim, eles pegam a minha mão e as lavam em águas sujas, lugares distantes onde o silencio preenche meu coração com mais vazio. 
Lembra quando doeu tanto que você simplesmente desejou que pudesse morrer? Ali, agora, simplesmente deixar de ser. Puxado de um lado para o outro com medo abrir os olhos e notar que ainda é obrigado a viver.

O meu passado não me define, os meus erros não me descrevem, a minha crueldade não é a minha verdade, todo mundo olha para você com medo, outros com ódio e a grande maioria com nojo. Você quer pedir desculpas como se essa fosse a unica palavra cuja qual você sabe dizer. 
Desculpa, eu quero tentar ser mais uma vez.

Marcado para sempre, como um onze de Setembro emocional, um rasgo que não pode ser costurado. 
Desculpa, eu não sou o vilão, talvez eu não queira mais ser perdoado
só quero nascer de novo, e que essa vez alguém me dê a mão.

Like what you read? Give Douglas Gonçalves a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.