Invisível

Estou em muitos lugares, mas ainda que me veja, você não me enxerga. 
Tenho o mundo como lar e não tenho repelente para me proteger dos insetos e dos olhares maldosos, incisivos, silenciosos. 
Seu silêncio grita acusações que me conferem um status sub-humano, que me humilha e me rebaixa a menos que um animal.
Cachorros recebem olhares de compaixão, afinal. 
O meu teto é o céu e, quando se compadece de mim, ele chora lágrimas de chuva que me afogam e destroem todo nada que conquistei. 
Nada que é como eu. Dono do mundo e da miséria. Todas as coisas me pertencem, sem que eu tenha aquisições. 
Os anos me fizeram perder a pratica de sorrir. Sonhar é uma utopia e eu nem sei o que é isso. 
Eu sou a prova de que o amor de muitos se esfriou, que a fome mata e que não há meritocracia quando não se tem documentos.