Diferenças entre chegadas e partidas

Os dois estavam nervosos, isso é fato

Era novidade. Toda a situação

Eu olhava para todos os lados, ela me viu de imediato

E como velhos amigos, não precisou de nada para identificação

Eu a abracei ali e ficaria os minutos de que precisávamos bem onde tivemos o primeiro contato

Ela, mais sensata, me arrastou para um lugar mais afastado (talvez tenha sido sua racionalidade misturado com timidez)

No lugar afastado ficamos colados, ela se afundou em meu peito eu em seu ombro

Queria ver seu rosto, tocar, senti-lo, mas ela estava absorvendo o momento do modo dela, se acalmando em meus braços

A despedida já foi diferente

Ela me abraçou em um lugar afastado, forte, me querendo ali com ela

Eu queria sair de perto

Não dela, mas da situação

Não queria me despedir

Ficamos abraçados, desejei que o tempo congelasse ali, mas ele avançou mais rápido e ela teve de ir

Indo pra fila eu a puxei de volta

Abracei de novo. Lhe dei um beijo e ela se foi

Fui o mais rápido que pude para o banheiro, e só consegui olhar pra trás e acenar uma única vez. Me sinto fraco por isso, devia ter aproveitado cada fração de segundo contemplando sua presença

Mas não queria que ela visse meu rosto se desmanchando em lágrimas

Chorei e choro sua partida, mas acho que agora aprendi como chorar.

Like what you read? Give Dalto Barbosa a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.