Urubus

Eu me apego muito às coisas que as pessoas me dão.

E vejo muitos zumbis por aí fazendo o mesmo.
Tá muito fácil gerar estoque de lembranças, e me peguei guardando mais objetos pra lembrar do que utilidades pro meu dia. Ímã de geladeira da praia, pedra daquele passeio no interior, VHS que nunca mais vou assistir, página de revista que quando reli já nem me interessava mais. Me alimentando de um monte arquivos velhos, comendo de um monte de memórias que já apodreceram.

Sendo simpático pra não falar daquela carta que me fez chorar pra caramba, daquela foto (ou mais recente, aquelas 48 fotos iguais que nunca revi e que um dia ainda vão acabar sendo apagadas por algum defeito no arquivo) da pessoa que nem sei onde mora mais, e aquele enfeite que nem combina mais com a decoração, mas continua lá, lembrando o meu inconsciente de algo que nem presto mais atenção.

Como dizem, só quem (se) muda sabe o trabalho de carregar tanta tralha.

Like what you read? Give Danilo Campanha a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.