Nicholas Cage — Top10 performances!

Nicolas Cage é um ator que está dentro do meu top10 de favoritos de todos os tempos. Cage tem um nível de intensidade enlouquecida que é incomparável e é capaz de adicionar tiques sutis aos seus grandes gestos com grande efeito. Ele se engaja em projetos que nem sempre o favorece como um bom ator, mas a sua herança cinematográfica com certeza é um marco para nós cinéfilos.

Com certeza tem ao menos um filme dele que está na sua lista ou você já achou bom demais para admitir. Por isso, preparei uma lista com um top10 de alguns filmes que mostram a audácia, inteligência e talento de Nicolas Cage.

Lembrando que esta lista não leva em conta a qualidade do filme, apenas a qualidade do desempenho. Atuações apenas.

1 — A Outra Face

Em parte por Nicolas Cage, em parte por John Travolta. Esse filme tem algumas coisas incríveis aqui que fica difícil numerar todas elas. Com a direção de John Woo, Nicolas Cage mostra um preparo de cena incrível com as cenas de confronto entre Archer e Troy. Como ele incorpora alguns trejeitos de John Travolta das cenas iniciais é surpreendente. Um clássico de 1997, com enquadramentos perfeitos de ação pela cinematografia de Oliver Wood (Identidade Bourne), acompanha o auge da carreira desse ator incansável.

2 — Beijo do vampiro

O que realmente faz com que isso valha a pena ver é o desempenho escandalosamente desenfreado de Cage. Aqui sua técnica em “overreacting” distingua superioridade. A primeira característica impressionante do diretor Bierman segue a linha tênue entre o riso nervoso e o terror nervoso de uma tristeza cômica para Loew, o personagem de Cage. Uma mistura estranha de comédia amarga e verdadeiro terror.

3 — Despedida em Las Vegas

Cage é deprimentemente real e eficaz como Ben. Eu sou uma fã de muitos dos papéis fora do contexto de Cage, no entanto ‘Leaving Las Vegas’ é um dos filmes que prova que quando ele modera sua loucura interna, ele pode produzir performances incríveis. O filme é marcado com faixas lisas e melancólicas de Jazz e a narrativa é construída por um prólogo tensamente composto que dá uma breve visão sobre a vida de Ben antes de partir para Las Vegas. Isso inclui uma cena brilhante de Ben tentando se livrar de sua existência pessoal e profissional ao som do “energético” Michael McDonald “Lonely Teardrops”. É uma cena de emoções mistas, embora se condene, é também um ato de libertação.

4 — Senhor Da Guerra

Considerado um dos clássicos da Era Moderna e estampado na lista de 1000 Filmes que Devemos Assistir Antes de Morrer, esse foi um longa que fez com que eu esquecesse Nicolas Cage em Cidade dos Anjos. Não me entendam mal, eu até gosto do filme em certo ponto, mas quando pude colocar as minhas mãos sobre esse longa de Andrew Niccol, reconheci o quanto Cage ainda tem algumas cartas na manga — mesmo que ele não as use com tanta frequência no momento -. Ele não é mais o “substituto” para os filmes de ação e nem o ator louco que aceita qualquer empreitada. Ele agora é o cara que atingiu o nível cult do cinema existencial com uma performance dura que vai te fazer pensar duas vezes sobre a sua posição no mundo.

5 — A Rocha

Olha, em primeiro lugar devo dizer que: Não sou a lá muito fã de Michael Bay, de todos os diretores ai a fora, ele é preguiçoso demais e se apoia em sua assinatura mais do que deveria. Mas, aqui, em A Rocha ele nem pensava em Transformers ainda e posso considerar esse como um clássico maravilhoso desse diretor. Não só pelos seus ângulos em 360 graus ao pôr do sol, mas pelo seu elenco. Desde Ed Harris, Sean Connery e o próprio Nicolas Cage. Cage bate frente a frente com Connery, sem medo, sem andar para trás. Ele ainda vem com seus próprios maneirismos que se encaixam perfeitamente com Goodspeed que fica impossível imaginar outro ator em seu lugar.

As cenas de ação são incrivelmente coreografadas, típicas de Bay, a fotografia é fria e bem direcionada a luz e a história carrega um significado patriótico social importante por debaixo dos panos. Outro clássico de 1996 que entra para essa lista.

6 — Homem de Família

Cage e Leoni são enormemente atraentes em suas várias encarnações. Há algumas cenas engraçadas e momentos quentes, especialmente quando a única pessoa que Jack não pode enganar é a filha dele, que sabe que este não é o pai que ela ama e decide que ele deve ser um alienígena. E há uma resolução satisfatória que incorpora o melhor de ambas as opções. Nicolas Cage dá uma performance que convida o público a deixar de lado o cinismo.

7–60 Segundos

Não me julguem, mas eu amo um filme de ação do final dos anos 90 ou começo da década 2000 com muitas cenas de ação, explosões sem razão, uma história simples a lá macho salvando o dia como em Duro de Matar ou, antes de Velozes e Furiosos, uma loira Angelina Jolie se roubando carros com um esperto e sexy Nicolas Cage. A trama não é de toda original, mas o importante são os personagens, suas relações, família. Carros, corridas, assaltos e tudo o que há de bom nessa incrível sequência de ação em 60 Segundos ao som de Low Rider

8 — O Capitão Corelli

Baseado em uma verdadeira tragédia grega de proporções épicas, que inspirou um romance de Louis de Bernieres, Capitão Corelli foi finalmente adaptado, com resultados bastante positivos.

Linda cinematografia define bem o tom deste filme, que já era de se esperar de John Toll. A paixão dos atores conduz a história em um lugar intenso e claro que mostra suas habilidades profissionais. Nicolas entrega uma excelente performance Este é um filme delicioso que tem algumas realidades ásperas como pano de fundo.

9-Atraídos Pelo Destino

Para não me contradizer, devo esclarecer. Eu sou fã do exagero de Cage, mas quando ele desce o tom em algumas notas, ele entrega atuações realmente incríveis. It Could Happen to You é facilmente o melhor filme de Cage até agora ( e isso é muita coisa). Ele deixa de lado sua tendência a sussurrar ou gritar cada fala, bem como sua estranheza exagerada. Aqui ele não é um introvertido louco ou badass (qualquer um dos seus filmes de ação), na verdade eu acho que a lição aqui é que às vezes menos é mais: ele simplesmente interpreta um cara mocinho e ele funciona . Bridget Fonda é maravilhosa e toda a história é simplesmente agradável. Irresistível.

10 — Con Air — A Rota da Fuga

Quanto mais eu vou escrevendo essa lista, mas eu vou percebendo que assim como a carreira de Nicolas Cage, ela passa da estranheza a calmaria, até a loucura.

Tudo bem. Eu sei que Con Air é provavelmente um dos piores filmes, um dos, de Nicolas Cage, mas qual é! Novamente, sou fã de Duro de Matar, fui treinada na base da sessão da tarde a lá macho e eu gosto de Con Air, não me julguem. Nicolas Cage, cabelo grande, peito peludo, mocinho que não usa armas, causa nobre, final feliz e John Malkovich. CLÁSSICO!

É ruim? DEMAIS. É exagerado? DEMAIS. Mas é bom! É nível sessão da tarde de quarta feira de bom. Não tem mais o que dizer. Só é.

Deixei de lado algum outro longa que vale a pena mencionar? Se sim, comente, deixe sua opinião sobre o top10 e aproveite Nicolas Cage.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.