Já perdi a conta de quantas vezes perdi a oportunidades de falar a verdade, de ser honesta comigo e com os outros por causa da tal síndrome das palavras não ditas. Eu teria evitado tantos problemas, tantas crises...

Tantas questões são tão mais fáceis de se resolver, o que nos faz optar por resolver sozinhos? Por que deixar que o orgulho ou o medo nos domine e fale mais alto quando ambos só alimentam os demônios que nos atormentam e nos angustiam ?

Queria ser honesta, mas confesso que já precisei mentir tantas vezes que tal ato já se tornou rotina, de modo que até mesmo eu já não sei onde começa e onde termina o tal fio da meada. As vezes minto que nem mesmo sinto enquanto as histórias fluem de mim com uma naturalidade como se fosse de fato real. As vezes tento falar a verdade e soa pior do que se eu mentisse. 
Gostaria que a minha força interior de reagir, de encarar as situações que são difíceis pra mim fossem maior do que a máscara que eu crio para me proteger dos tantos porquês de cada história que eu minto. Que omito. E até mesmo imito por aí. 
Peço desculpas àqueles que acreditavam que 100% de mim era feito de honestidade. Talvez eu peça desculpas na esperança da redenção do tal pecado da mentira. Talvez o pedido de desculpa ou até mesmo o conteúdo lido acima seja mentira. Quem sabe? Quem vai saber? São tantas mentiras que atualmente eu já nem sei mais.

Like what you read? Give Daniella Cavalcanti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.