Tenho preguiça de ler gente que usa vírgula demais.

Com a internet e o ápice das redes sociais, as pessoas esqueceram como se escreve corretamente.

Dia desses li no Facebook uma crônica de uma menina aleatória. Ela ficou “famosinha” na internet depois de um “textão” onde ela emitia sua opinião a respeito da separação de Fátima Bernardes e Willian Bonner. (Inclusive, tô chocada com isso até hoje, mas a vida sabe o que faz e segue seu curso).

Mas, dessa vez não era isso. Dessa vez, era um texto (bem bacana, por sinal) falando a respeito de coisas dos anos 80. Em cada parágrafo — ou o que deveria ser um parágrafo — eu identifiquei zero de pontos continuativos, travessões e aspas, mas um sem fim de vírgulas.

Imaginem vocês se eu terminasse cada frase desse texto com uma vírgula, e só no final do texto eu resolvesse colocar um ponto final! Vocês, mesmo que involuntariamente, estariam arfando no final. O objetivo não é esse.

As escolas ensinam, os livros e os sites sérios também. Vira e mexe aparecem piadas no meu whatsapp sobre o acordo ortográfico e os inúmeros “não trema em cima da linguiça”. Ainda assim a coleguinha ainda não se deu conta de que não é só a vírgula que constrói um bom texto?

Não tô aqui pra cagar regra não, mas me irrita tanto, mas TANTO! Inclusive, tenho uma teoria de que para cada vírgula usada sem necessidade uma fada morre lá na Terra do Nunca.

E, sim, eu acredito em fadas.