Para ela

Gostaria de falar um pouco sobre a beleza da vida. Para mim, é importante fazê-lo porque não sou muito de agradecer, é bem mais frequente me ver reclamar das mazelas. Mas agora quero falar da beleza da vida e por que vale a pena estar viva.

Acordei mais cedo. Como falei há uns dias no Facebook, terei de fazer uma cirurgia, e fui fazer exames de sangue. Mas, antes, passei na casa de minha mãe para pegar uma encomenda que chegara para meu primo e havia combinado de lhe entregar hoje.

Hoje é aniversário de minha mãe. Pensei que não fosse encontrá-la acordada, passei na casa dela antes das 6 h 30 min, mas ao entrar ouvi a voz da Vitória conversando com a avó. “Tiiiiia!” e passinhos pequeninos vindo ao meu encontro. “Bom dia, linda da tia, você sabia que hoje é aniversário da vovó?”, e ela fez que sim com a cabeça. Minha mãe disse que já haviam cantado parabéns e tudo. Dei-lhes um beijo, peguei a encomenda do Cláudio, e segui para o laboratório.

Já no caminho para o trabalho, do carro vejo uma folha se desprendendo da árvore e, como uma bailarina rodopiando, dançando rumo ao solo. Uma folha grande, marrom, com ramificações. Uma folha bailarina dançando na brisa da manhã de terça-feira. O clima estava agradável, os raios de sol por entre as folhas fazendo o asfalto meio iluminado. A vida tem suas belezas.

E hoje ainda mais. Porque ouvir a voz dela logo cedo é ter a certeza de ser abençoada. Porque ter nascido dela e ter tido a oportunidade de crescer a seu lado é ter a certeza de ser abençoada. Porque comemorar seus 66 anos a seu lado é ter a certeza de ser abençoada. Porque poder chamá-la de mãe e abraçá-la e beijá-la e reconhecer-me em sua voz, em sua impaciência, ansiedade e manias — até mesmo nessas coisas — é ter a certeza de ser abençoada. Porque eu a amo e sei que ela me ama. Porque é tão bom ter mãe. Porque espero haver ainda muitos outros aniversários juntas para que, como hoje, eu acorde emotiva e pense na beleza da vida, com suas folhas dançarinas, raios de sol anunciando a manhã e a certeza de que sim, vale a pena estar viva.

Feliz aniversário, mãe!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.