Pequi or not pequi?

Na mesa do bar, enquanto Joca dava beijinhos no seu pescoço, a Flávia anunciou que ia preparar um jantar romântico na casa dela.

– Galinhada e arroz com pequi.

O Joca se assustou e parou com os beijos.

– Pequi? Por quê?

A Flávia, viciada no fruto, nem se ligou. E empurrou o rosto do Joca de volta ao seu pescoço.

– Porque é bom, oras. Continua.

O Joca nunca tocara no assunto, mas não suportava pequi, nem o cheiro, nada. Culpa do Tio Onofre, dizia.

– Flávia, pequi não dá.
– Dá, sim, tá na época.
– Tá na época de alguém fazer algo contra essa ameaça e bani-la do Sistema Solar. Não como nem amarrado. Pequi ainda não está pronto, veja bem, os espinhos nem tiveram tempo de sair do fruto. Daqui a mil anos, talvez. Darwin, entende? Enquanto isso, vamos deixá-lo quieto.

A Flávia nunca pensara que o Joca tivesse inclinações radicais, e conclamou uma assembleia à mesa, com direito a voto de todos os amigos. O que eles decidissem seria aceito pelo casal.

– Então, pequi or not pequi?
– Pequi, disse a Marlene. O Joca tem que aceitá-la como você é.
– Protesto, interrompeu o Bigode. Se isso o incomoda, não custa fazer um esforço. Not pequi.
– Pequi, bradou a Flora.
– Not pequi, discordou o Pedro.

O voto de Minerva ficou com a Jussara e todos já consideravam a questão resolvida em favor da Flávia.

– Not pequi, vaticinou a amiga, para espanto geral.
– Not pequi?
– Not pequi! Mas precisa ser negociado. Você pode barrar o pequi se ele cortar os jogos do Flamengo na TV, por exemplo.

O Joca tentou tumultuar a conversa, argumentando que isso era injusto, o Flamengo era sagrado, o campeonato de 87 era deles etecetera e tal. Depois de muita discussão, chegaram ao acordo: quando estivessem juntos, not pequi e not Flamengo. No resto do tempo, cada um fazia o que desse na telha.

Foram pra casa da Flávia, que, conformada, guardou os frutos no fundo da geladeira. Desiludido, o Joca não ligou a TV. Resignada, a Flávia foi tomar banho. Vencido, o Joca colocou Caetano. Confortável, a Flávia voltou à sala vestindo um par de Crocs. Horrorizado, o Joca levou as mãos à cabeça, ergueu-se do sofá, abriu a porta e foi embora sem dizer uma palavra.

No táxi, perguntava-se onde havia errado, pequi e Crocs eram demais pra ele. E a Flávia, a bem da verdade, também não suportava o Caetano.

Esse texto faz parte do projeto Cartas da Guanabara,
com crônicas semanais de um brasiliense vivendo no Rio de Janeiro.

Gostou? Então clique no botão Recommend aí embaixo.
Fazendo isso, você ajuda esse post a ser encontrado por mais pessoas.

Pra acompanhar minhas publicações por aqui,
é só clicar ali embaixo no botão
Follow.

Like what you read? Give Daniel Cariello a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.