Dilma: A presidente que não sabia roubar

Dilma recebe Monica Moura no palácio do Alvorada, pois está preocupadíssima com a comunicação entre ela e o marqueteiro João Santana.

- Olha, Mônica, estou muito preocupada com essas investigações da polícia federal. A gente tem que tomar cuidado. Eu já apaguei aquele meu email antigo. — Diz Dilma

- Qual, o dilmaoficial@bol.com? — Diz Mônica

- Não, o dilmacaixa22@hotmail.com. Os caras da PF tão espertos. Se você colocar 22 no final, eles descobrem que é só 2. Tem um departamento de inteligência só pra isso agora. — Diz Dilma

- Meu Deus, então vamos ter que ser mais espertas que eles. — Diz Mônica

- Bem que o Lula me avisou, ele não usava email. Só falava pessoalmente, pegava o jatinho dele e ía falar cara a cara, nem que fosse no Acre. — Diz Dilma

- Também não é pra tanto. Olha, acho que você pode criar um email com um nome de outra pessoa, ninguém vai saber que é você — Diz Mônica.

- Isso é bom! Por isso te contratei (risos). Posso botar assim: cunhaaa@hotmail.com. Vão -desconfiar do Eduardo, não é problema meu.

- Olha, melhor não mexer com ele não. Ele é meio golpista. Vamos fazer um neutro.

- Tá, pode ser iolanda@hotmail.com? — Diz Dilma

- Isso é bom. Mas quem é essa Iolanda? — Indaga Mônica

- É o nome da menina que trabalha no Jaburu. Vão pensar que é coisa do Temer — Diz Dilma.

- Tá bom, deixa eu abrir aqui. — Diz Mônica.

Mônica Moura pega o celular para e começa a digitar “como criar email” no google. Ela é direcionada para uma página do gmail.

- Achei, Dilma. Vou criar aqui. — Diz Mônica.

- Que isso, menina? Eu não confio nesses smartphones, não. Você sabe que os americanos tavam me vigiando outro dia, só porque eu instalei um app pra pedir visto. Vem cá, vamos fazer ali na biblioteca que é super seguro. — Diz Dilma.

Dilma pega Mônica pela mão e leva até a biblioteca do Palácio do Alvorada. Um auxiliar empurra a cadeira quando ela senta. Mônica senta do seu lado, enquanto Dilma põe óculos de leitura e olha para a tela do computador bem de pertinho.

- Ih, Mônica. Ferrou, ferrrou! — Diz Dilma

- Que que foi, Dilma? — Diz Mônica assustada.

- Não tem iolanda@gmail.com, tá falando que já fizeram — Diz Dilma

- Dilma, é só colocar um número depois que se resolve — Diz Mônica

- Aqui tá sugerindo iolanda2606@gmail.com — Diz Dilma

- Esses sites são super modernos mesmo, já resolveu — Diz Mônica.

- Muito bom isso, vou dar OK aqui. Ihh, tá pedindo meu nome. Vou botar aqui Iolanda Rousseff. — Diz Dilma.

- Dilminha, melhor não colocar seu sobrenome. Melhor inventar um também, esses caras da PF tão espertos, tô te dizendo. — Diz Mônica.

- Ai, meu Deus. Vou botar então Iolanda da Silva. Pronto. — Diz Dilma

- Da Silva, não Dilminha, vão acabar indo atrás do Lula. — Diz Mônica.

- Bem pensado, vou botar aqui “ZZZZ” pra ver se vai. Não é que foi? Pronto, tá criado. Fico bem mais tranquila agora, esses policias nunca vão me pegar. Pode mandar o recibo da transferência, tudo pra esse email.

- Tá bom, vou repassar o email pro João Santana. — Diz Mônica.

As duas se despedem. Dilma está subindo as escadas, quando Mônica grita por seu nome.

- Dilminha, esqueci de uma coisa. — Diz Mônica.

Mônica chega bem pertinho do ouvido de Dilma e fala em tom baixo.

- Maduro também fez um email novo. É seumaduro13@gmail.com — Diz Mônica

-Ele quer me ferrar, né? Botar 13 no final não dá. — Diz Dilma