metade lua, metade sol

ao falhar na tentativa de nadar nesse oceano turbulento, você jogou pedras para que ele acalmasse, mas as pedras eram pontudas e machucavam, sangravam. Na água, eu enxerguei o reflexo de uma lua, satélite sem luz própria que, para sobreviver, suga aquilo que possui luz. Vejo também características do Sol que queima aqueles que se aproximam. Você me queima com a luz que tirou de mim, a transformou em arma radioativa. Confusão na cabeça para descobrir sua essência te deixa livre para sugar daqueles que a cercam?

não sinto saudades daquele beijo ruim “com gosto de dente que morde coração envenenado”, veneno que injetou em mim e em você eu encontrei o meu pior enquanto gastava forças tentando trazer o seu melhor para que eu fosse o dengo digno de amor. Não sinto falta daquele abraço que não era casa, não sinto falta do amor carente e desesperado, porque me querer ainda parece um desejo de se afastar da solidão. Não sinto falta de como você fazia questão de dizer tudo que fazia eu me sentir pequena e desprivilegiada, não sinto saudades, não sinto.

tudo se torna sobre você, seu exagero e necessidade de ser o foco. Quando me machuca grita culpa para que eles corram sentir pena. Quando te machucam grita para que eles corram prestar apoio. Essa necessidade de ser um foco talvez seja falta de aprender a ficar sozinha e como não se basta, fez com que eu perdesse minha completude. Eu perdoei para me manter sã até você sorrateira fingir mudança. O que você queria ao fingir empatia pela minha minoria?

tornei-me disponível para você em todas as voltas do relógio e tentei me cobrir com capas plásticas para que seu vômito não me sujasse mais, mas com ações e palavras afiadas você tampou meus olhos, cegou-me, rasgou minha proteção e despejou sua sujeira novamente sobre todo o meu ser. A dor que habita no meu peito não é de amor, de saudade ou de ódio, é tristeza. Meu coração se mata todas as vezes que escuto seu respirar e meu medo de que ela seja como você, que machuca como faca afiada que corta profundo a pele, só aumenta. Sei que eles não veem sua alma como eu vejo, sei que não se despe para eles e me torno a vilã, mas eu sei o que você fez, eu assisti como plateia única você vomitar no palco. Estou presa no loop de ações cortantes seguidas de pedidos de desculpas, de novo e de novo.

hoje, quando notei que cada ato seu parecia um jogo de manipulação misturado com seu egocentrismo e falta de empatia, me desabei. Derreti no chão, virei um mar na tempestade. Talvez seja cinismo ou falta de noção perante as coisas que você faz, como consegue continuar fazendo isso depois de dizer que era amor? Se isso for amor eu ficarei confusa sem saber o porquê das pessoas procurarem esse sentimento sujo. Sentimento é sujo ou você? Por que despiu sua alma e me mostrou a carne em decomposição com cheiro que me matava? O que mais quer derramar em mim ou de mim?