A HISTÓRIA DO CHIMPANZÉ FUJÃO!

O chimpanzé morava no zoológico. Vivia uma vida feliz. Vivia uma vida de paz. Muita paz. Harmoniosa convivência com o leão. Lia o jornal todas as manhãs com a zebra.
Sempre acenava para as girafas, que moravam nos andares mais altos dos prédios ao longe, e as girafas sempre retribuíam com um aceno de suas orelhas pontudas.
Certa vez, o hipopótamo convidou-o a visitá-lo, e disse que trouxesse trajes de banho pois iam refrescar-se no pântano.
O chimpanzé infelizmente não pôde comparecer. Estava trancado em sua jaula.
Passada a possibilidade do encontro, o chimpanzé voltou à sua rotineira rotina.
Pela terceira vez naquela semana, chegou o fulano de boné marrom, responsável, dizem alguns, pela alimentação dos habitantes do zoológico.
Ele, o fulano, pela terceira vez naquela semana, abriu a jaula, entrou na jaula, fez uma brincadeira ou outra com o chimpanzé e colocou num canto da jaula sete quilos de frutas, entre bananas, maças e laranjas.
O chimpanzé, pela terceira vez naquela semana, ficou maravilhado com a quantidade súbita de comida à sua disposição mas, por algum motivo que ninguém saberia explicar, o grande macaco não se demorou muito na sua vitamina. Ao invés disso, pregou um olho no seu patrocinador e o outro olho na trava da jaula.
Sem querer querendo, ou pelo menos é o que se imagina em se tratando de um primata, o chimpanzé reparou nitidamente no movimento que fez o fulano com a trava para abrir a jaula.
Meia hora mais tarde, quando o fulano já estava bem longe, o chimpanzé foi até a fechadura. Lembrava exatamente das imagens necessárias para tirar a trava e abrir a porta da jaula. E não fez por menos na sua perfeita imitação do fulano.
Abriu a jaula em poucos instantes e ganhou a liberdade…
Virou a esquerda e deu de cara com o tigre soltando uns grunhidos que ele não conseguia entender. Mas pela cara de espanto do tigre, o chimpanzé sabia que tinha feito algo de novo naquele lugar.
Então, passou pelo tigre, avistou os cavalos comendo capim, as vacas à sua direita estavam pastando, comendo e cagando, e as galinhas não paravam de cacarejar.
Avistou uma placa onde se lia: SAÍDA.
Não entendeu o que estava escrito, mas sua intuição lhe dizia que devia seguir aquele caminho. Quando estava bem próximo da saída, sentiu uns oito braços o agarrando por trás, e uma agulha bem grossa nas suas costas.
O chimpanzé fujão foi anestesiado.
Treze horas depois, o chimpanzé acordou com uma sensação diferente. A adrenalina ainda lhe percorria o corpo.
Achava que…Tinha certeza absoluta que tudo aquilo que ele vivera não havia passado de um sonho, de uma ilusão.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.