Talvez reconhecer a inevitabilidade da morte seja importante

A única certeza que todo ser humano tem durante a vida é a morte e, basicamente, tudo que vem entre o nascimento e ela é apenas um amenizador ou entretenimento até sua chegada.

Respire, tente engolir isso por um momento antes de continuar, mas planejo explicar o porquê disso não ser necessariamente uma coisa ruim, na verdade, até um lembrete fenomenal para se ter diariamente. Ou eu apenas sou muito mórbida.

Afinal é uma das coisas que tentamos sempre manter em mente para nos motivar na vida, certo? “Faça algo que valerá a pena relembrar em seus últimos minutos” e não há nada de errado com isso, de fato, acredito que seja uma excelente frase para botar em algum post-it por ai, talvez na porta que você usa todo dia para sair de casa, próximo da maçaneta, para quem for mais baixo, desatento, ou tiver miopia.

A questão é, a morte, a coisa que muitos de nós passamos a vida inteira temendo, é também o que nos iguala, o que nos torna humanos.

Em várias histórias por ai está presente a ideia do cansado imortal que perdeu o contato com a sua moral e humanidade. E eu acredito que haja verdade nisso.

A partir do momento em que reconhecemos a morte como o que ela é: algo natural que virá para todos. Cada momento positivo se torna importante. E os negativos, ou se tornam motivo de orgulho, ou banais.

Qual é o sentido em fazer alguém se sentir mal? Seja pelo seu tipo de corpo, cor, religião, sexualidade, gênero, classe social, ou o que for. Esse é um ser humano como você, passando pelos fardos da vida diariamente, talvez não sejam os mesmos que os seus e por isso você não compreenda a dificuldade presente neles, mas nada que incomoda alguém é por acaso. O que essa pessoa tem em comum com qualquer outros ser humano no planeta é o que deveria ser lembrado: o anseio no fim do dia por algo que nos traga felicidade e harmonia, um sentimento de realização.

E porque dificultar isso? Entre o mesmo, o que importa as aparências? As brigas? Os insultos ou a violência?

Só temos um tempo limitado aqui e o que realmente importa é o que virá para somar e não subtrair.

Novamente, porque dificultar ainda mais isso?