Por que eu parei de fazer tudo que me dizem que eu devo fazer (e por que pouco importa o que eu acho que você deveria fazer!)

Ok, ok. É uma ironia. Mas tem lá um fundo de verdade.

Eu me lembro bem quando eu era jovem, prestes a me formar na escola. E na faculdade, tanto ao entrar quanto ao me formar.

Sempre — sempre, mesmo — alguém achava que eu deveria fazer algo diferente do que eu queria, de fato, fazer.

“Procure um emprego”.
“Construa uma carreira numa grande empresa”.
“Faça um concurso”.
“Procure uma pós. O mercado hoje só valoriza quem tem pós.”

Isso se repetiu mais algumas vezes: quando não era mais tão jovem, mas cheio de energia, no começo e no meio da minha vida empreendedora. E, claro, quando vendi a empresa na qual estava há quase 15 anos.

Receitas de Sucesso?

Era alguém que tinha a “receita do sucesso” — mesmo que aquelas pessoas nem sempre fossem, exatamente, um padrão de sucesso para mim.

Muitas eram pessoas que eu admirava, é verdade.

Alguns foram verdadeiros mentores, a quem devo muito.

Mas algo me dizia que eu devia seguir o que eu acreditava, mesmo que aquilo significasse quebrar a cara mais a frente.

Não me entenda mal. Eu sempre acreditei em ouvir os outros. Em estudar, aprender, compartilhar. E continuo acreditando.

Experiências são situações que vivemos. O ideal é que a gente possa aprender com elas, apesar de isso nem sempre acontecer.

E se pudermos aprender com as experiências dos outros, ainda melhor.

Só que experiências acontecem em um contexto único, irreplicável.

Elas acontecem de um determinado jeito e são praticamente impossíveis de reproduzir em ambiente “controlado” (no caso, a sua vida).

“Isso nunca vai dar certo”.
“A gente já tentou isso antes”.
“Aqui não funciona”.
“Eu não iria por esse caminho”.

Experiências e Conselhos

Sempre vale a pena ouvir a experiência de outra pessoa.

Mas o perigo é quando delas deixam de ser experiências e viram conselhos. Receitas. Como “o único caminho para o sucesso”.

Experiências são experiências, conselhos são conselhos.

Conselho é algo que alguém acredita que você deveria seguir ou fazer, considerando a experiência que aquela pessoa teve.

Em outra época, em outro contexto, em outra circunstância.

Não a sua época. Não o seu contexto. Não a sua circunstância. Não você.

E, com o perdão do clichê, mais do que nunca vivemos uma época sem precedentes. Com novas referências, com cenários totalmente “disruptivos”.

Escute as experiências dos outros. Mas tome muito cuidado com os conselhos.

Eu decidi viver minhas próprias experiências.

Afinal, são elas que vou levar da vida, mesmo.

Erre muito, erre rápido, erre quando puder. Aprenda com os erros.

Até aqui deu certo pra mim. Mas isso é só uma experiência, não um conselho. :)

Melhor você mesmo descobrir o seu jeito.

Se você curtiu o texto, sinta-se à vontade para compartilhar em suas redes ou clique no coração abaixo para recomendá-lo.

Se você não curtiu, comenta aí embaixo! Vai ser ótimo ouvir sua opinião.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.