O reencontro da tecnologia com o marketing

Dediquei um dia inteiro para conferir o que as marcas estavam fazendo por aqui em que há de mais atual em termos de tecnologia para tratamento de dados, experiências e comunicação, sendo mais específico Internet das coisas, Realidade Virtual e Streaming Mobile.

Os nomes eram de peso: Derek Myers, Diretor Global de Estratégias para Vending Machines da Coca-Cola com o apoio de Deon Newman, uma das lideranças por trás do projeto IBM Watson falaram de como IoT estava apoiando seus negócios. Torsten Wingenter, Head de Inovação Digital na Lufhtansa e Eric Oliver, Diretor de Marketing Digital na The North Face, citaram exemplos de uso de Realidade Virtual (alias a grande vedete de Austin este ano). E Stacy Martinet, CMO da Mashable, Pete Harmata, Gerente de Inovação Digital na BMW e Sam Olsein, Global Director of Innovation na GE citaram exemplos de uso de tecnologias de transmissão ao vivo. Os retratos eram reflexos de ações realizadas nos últimos 2 anos no máximo. É possível já observar com o que foi feito que diversas possibilidades vão se abrir nos próximos anos.

A primeira é aproximação máxima marca-consumidor. A indústria B2B, antes escondida atrás de marcas de consumo, será importante na vida das pessoas, ganhará personalidade por meio de suas histórias e a participação que terá em sua vida. Este é um movimento que vem se ampliando desde o surgimento da internet e depois com o Social Media e a Revolução Mobile. Mas tecnologias como o Periscope tornaram a aproximação quase íntima, tornando marcas, que ficavam no campo do B2B, lá na indústria, antes muito distantes, como uma General Electric, tornarem-se próximas e partes ativas da vda das pessoas.

Em outras edições já vimos o trabalho que a GE vinha fazendo em redes sociais. Desta vez Sam mostrou como a GE pode contar histórias em real time usando poder do Periscope e com imagens dignas de uma marca de ficção científica. Você pode ver o case aqui. Outro exemplo interessante foi o da The North Face que encontrou na Realidade Virtual o seu campo de exploração das sensações mais icônicas da essência de sua marca: Aventura, liberdade, escaladas e saltos em grandes Alturas. É possível ver uma amostra neste video feito na Coreia do Sul. Inovações como cardboard do Google fizeram o VR e realidade aumentada tornar o uso de tecnologias como estas muito mais acessíveis. As marcas de todos os tamanhos e tipos estão usando cardboard como brinde aqui em todos os lados.

Agora, o outro lado desta moeda, foi a segunda constatação: o uso ainda muito tímido da tal da Internet das Coisas. É incrível o que se pode fazer com as ferramentas já disponívels em companhias como IBM e a própria GE. A IBM com o Watson trouxe um conjunto de possibilidades incríveis em sua casa-ativação (tema de uma artigo só para isso). Mas as aplicações que as marcas estão fazendo, como a Under Armour e a Coca-cola ainda estão muito na defensiva, mais no tratamento dos dados e pouco no campo da Inteligência Artificial, com respostas proativas, inteligentes e em tempo real aos usuários. Parece que agora as marcas estão conseguindo implementar os projetos de CRM que não conseguiram nos anos 2000. Vamos ver se a promessa da IoT integrada a Predictive Marketing chega realmente nos próximos anos. Tecnologia para isso já existe.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.