O Lobo e o Concreto

Sou de todos os cantos, tenho mil almas, eterno meu caminho é.

Não queria ter nascido nesse meio
Nesse meio que me julga
Nesse meio que me padroniza
Nesse meio que me empurra valores
Nesse meio que me prende em comportamentos

Concreto tudo é, vazio, tudo é vazio
Amargo é o sofrimento, como os dias nublados
Neutra sensação, remetendo ao caos de algo que já não reage mais
A palavra não é dotada de sentido que me aprecie
Faz-me querer sair
Pra encontrar aquela tão prometida paz
Que é apenas um devaneio no característico do ser.

Sabe aquele Lobo solitário?
Melhor com ele me identifico
Consigo mesmo, ele se encontra
Cria e reinventa suas noções de si.
Suas noções de liberdade
E sabe que sua paz sempre será interior.

Me encanta muito seu poder
E seu caráter
Transformadores, eles são.
Fazem sair do amargo, a luz da prosperidade
Independente de tudo e de todos
E sempre busca o seu lugar ao Sol
Pra enfim criar seu próprio meio
Que nunca será em um único lugar

E há de se construir cada vez mais seu império de maturidade
Preservar seus mistérios
Empatizar com o mundo
Varrer seus infernos
Pra saber lidar com as adversidades do externo

E que a busca e a resposta de tudo
Estará sempre dentro de si próprio.