Entretenimento e inovação: Brasília em cena

Created for Meu Copo Eco.

Nascida à frente de seu tempo, Brasília pode ser considerada um monumento a céu aberto em seus 57 anos de existência. Além de riquezas naturais em abundância, como cachoeiras, grutas e lagoas, que são cenários perfeitos para passeios e prática de esportes na natureza, a sede administrativa do país também é conhecida pela sua diversidade mística. Quem já visitou a capital brasileira sabe que as opções são bem variadas, afinal, com mais de 7 mil bares e 3,5 mil restaurantes, a vida noturna e cultural é intensa!

Nesse cenário de pluralidade, surge o Carnaval no Parque como parte da geração que já nasceu com vontade própria, uma galera que bota a cara — e a arte — na rua lutando pelo que ama. Com sede de dar vida à capital, os envolvidos têm uma paixão por essa mistura planejada e sempre se unem por uma boa função! “Nossa cidade é cabulosa” dizem os apaixonados por ideias diferentes e por Brasília.

Um dos fatos que chama atenção, é que nessa festa, casais, crianças e solteirxs são todxs bem vindxs! Afinal, quando falamos de carnaval, é como se falássemos do coração de mãe em Brasília. Até os pequenos ganharam uma programação toda pensada neles, e com direito a Bloco do Bita e Banda Ventoinha de Canudo, do Bloco da Tesourinha, que acontece na praça das fontes. É fato: vontade de inovar não falta por aqui!

Carnaval e sustentabilidade

Curtir o Carnaval não precisa ser sinônimo de irresponsabilidade. É possível aproveitar os quatro dias de festa com muita alegria e sem contribuir para a depredação do meio e do lugar onde se festeja. Ou seja, muito mais relevante do que falar do modo conceitual de sustentabilidade e meio ambiente é o próprio envolvimento das pessoas com o tema e a importância ao perceberem que a fala está diretamente ligada com a realidade vivida. A transição de atitudes é necessária não só no ambiente de trabalho ou em espaços restritos, mas pra vida!

A zoeira realmente pode não ter limites, mas a mente no lugar possibilita uma visão bem mais ilimitada. Se você já se deparou com alguma festa pós-carnaval, certamente se impressionou com a quantidade de resíduos e talvez tenha se perguntado: como somos capazes de poluir TANTO? A diversão ganha outro significado: lixo e mais lixo. Então é preciso de trabalho braçal e dobrado para acabar com isso.

É, nem só de glitter vive uma folia do bem, não é mesmo? Por isso, com o Carnaval no Parque a atitude foi além. Pensando em realizar uma festa limpa, o evento assumiu uma grande responsabilidade com o meio ambiente, a sociedade e também aderiram ao Meu Copo Eco. Foi abolição total aos descartáveis! O sistema de copos reutilizáveis e retornáveis tem até 25 vezes menos impacto sobre o meio ambiente do que todas as outras opções. E não foi só isso que a equipe descobriu. Quando perceberam o tamanho do impacto na redução de resíduos, custos e o incentivo a uma nova cultura de consumo consciente, bastou querer para realizar!

Com o crescimento do empenho em novas ações, o projeto recebeu um prêmio do GDF (Governo do Distrito Federal) pela sua gestão de resíduos. Massa né? Foram mais de 15 mil copos vendidos na última edição. Agora imagine se fossem descartáveis? Pois é. Seguindo na busca por alternativas sustentáveis, a coleta seletiva também foi levada mais a sério. No evento, há latas de lixos separadas por tipo (metal, vidro, plástico, papel e orgânico) por todo o complexo carnavalesco para que, quando o último bloco passar na avenida, o lixo seja despejado no lugar certo e o que puder, seja reciclado.

O bloco não para!

Com auxílio do CEPAS (Conselho que ajudou a definir as 10 instituições beneficiadas com a doação de alimentos do evento em 2017), foram realizadas entregas de doações! No total, o Carnaval no Parque arrecadou com a meia entrada do evento aproximadamente 16 toneladas de alimentos, 48 litros de óleo e 14 litros de leite. A primeira instituição escolhida foi a Casa de Ismael, um lar de crianças e adolescentes na asa norte. Além dessa, casas de idosos e pessoas com deficiência nos bairros de Taguatinga, Gama, Samambaia, Riacho Fundo 2, Brazlândia e Ceilândia também foram beneficiadas. Com isso, o que se guarda é um carnaval marcado por diversos sorrisos, tanto dos clientes, quanto das pessoas auxiliadas.

Já sabemos que em Brasília, concreto e árvore são os opostos que se atraem num lugar com cultura e gente pra caramba, e é lá que juntam-se os mais diferentes ritmos e pessoas com jeitos particularizados, mas sempre caminhando no mesmo sentido: atrás do bloco. Avantes com o propósito e a defensão à favor da união de culturas e progresso em sociedade, a ação da MCE junto com o Carnaval no Parque visibiliza a necessidade do debate e fortalecimento acerca de questões distantes ou cotidianas sobre assuntos sociais e sustentáveis. Por isso, juntos ou em qualquer lugar, influenciaremos positivamente esperando que a corrente continue. Sempre em frente!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.