O Milagre da Evolução Tecnológica e sua Resistência Cultural

Já desde meados do século XVIII, a evolução tecnológica ocorre de maneira progressivamente mais veloz e possibilitando o surgimento de invenções que tornaram o quotidiano da maioria da população civilizada mais fácil, inteligente e simples. Não há um aspecto, tampouco formas de relações entre os indivíduos que não tenham sido plenamente alterados graças ao advento da Era Moderna e todos os produtos que dela decorreram. Dê-se especial atenção, por exemplo, a como a comunicação entre pessoas, povos e instituições foi agilizada e universalizada globalmente, especialmente após o surgimento da internet ao início da década de 1990.

Porém, o repentino e inexorável processo de surgimento e evolução das tecnologias de comunicação têm criado céticos e críticos entre acadêmicos, especialistas e o público leigo. Não faltam livros, textos e conversas em público dizendo sobre como determinado aparelho, sendo o réu quase sempre o infame telefone celular, vem tornando as pessoas mais afastadas, frias e dependentes de bugigangas. Os adjetivos são os mais variados, e a reação negativa e receosa por parte das pessoas trata-se de um fenômeno histórico e psicológico bastante conhecido, observável em todos os momentos em que a forma de vida de uma sociedade estava para se transformar completamente — seja negativa, seja positivamente.

Tome-se por exemplo o artigo publicado em 1902 no periódico The Publishers’ Popular, “A Plea for a Long Walk”, onde o autor T. Thatcher critica essa era de “crescimento rápido da locomoção artificial”, em que os passeios a bicicleta, jornadas em automóveis e navegações em navios a vapor estão tornando as pessoas menos pacientes e atentas ao caminho por onde andam, além de incapazes de realizar atividades calmas como caminhadas. Em The Education Magazine, volume 29, publicado em 1907, mostra-se como as então populares revistas estavam destruindo as relações humanas, fazendo com que, dentro de uma sala, cada um ficasse sentado em sua poltrona a ler seu folhetim favorito, calado e indiferente às pessoas a seu redor.

Vistos sob uma óptica contemporânea, esses posicionamentos demonstram-se cômicos, e um tanto quanto retrógrados. As previsões desastrosas a respeito do futuro da humanidade simplesmente não se concretizaram. Em nenhum lugar tornaram-se as pessoas robóticas e apáticas; e as relações sociais ainda florescem, ainda que por vezes sob contextos diferentes. A inovação tecnológica existe em função de atender às necessidades humanas previamente existentes. Carros, motocicletas e navios foram criados para atender à demanda por locomoção. Não obstante, celulares, computadores e tablets representam a inovação e genialidade humanas aplicadas ao atendimento à demanda por comunicação. Essas tecnologias, e as próximas que virão, não devem ser encaradas com uma desconfiança estigmatizada, mas como um aperfeiçoamento cada vez maior da conexão e integração entre os indivíduos que compõem a sociedade.