Amar é como andar de bicicleta

Algumas pessoas aprendem cedo, outras deixam para depois. Nunca é tarde para começar, mas o tempo torna as coisas um pouco difíceis. Quando criança, somos destemidos e acreditamos que nenhuma queda irá nos parar, afinal: “do chão a gente não passa”.

No primeiro contato a dificuldade é aparente. Algumas pessoas desistem, as mais duronas continuam para ver até onde vai machucar. Para dar rumo as coisas é preciso ter equilíbrio e isso nos faz abrir mão de muitas coisas. A primeira é o medo, as demais são muito particulares para eu tentar expressar. Depois de algumas tentativas, a gente pega o jeito. Claro, quando temos uma ajuda tudo fica mais fácil. Gente paciente e disposta é sempre bem vinda.

O frio na barriga é inevitável, todo mundo passa por isso no começo. A adrenalina corre o corpo e a dúvida é frequente: “eu vou conseguir?”. Força de vontade acaba sendo o maior combustível. Toda aquela emoção ao acertar é indescritível. O sorriso preenche o rosto, da boca aos olhos. Eles brilham. Pensar em longas distâncias parece até negativo no início, expectativa abobalhada, mas com o passar do tempo se torna uma aventura.

Amar é divertido, dá uma liberdade imensa e é impossível esquecer.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.