From Gamer To DEV

Olá! Meu nome é Davi, eu tenho 17 anos. Sou um jovem estudante de um curso técnico de Tecnologia da Informação na Baixada Santista e vou contar um pouco da minha vivência em TI. Quer saber como eu saí de “usuário padrão” e me tornei um programador em uma ótima empresa? Então, senta que lá vem a história…

Garanto que a história é boa!

Venho de uma família bem simples, sem muito luxo e sem tanto acesso à tecnologia. Meu interesse por esse mundo começou na época das famigeradas lan-houses da vida (aliás, sdds). Naquele ambiente iluminado pelo brilho das telas de computador estão algumas das minhas melhores lembranças… Eu nem sabia como isso mudaria a minha vida!

O INÍCIO DE TUDO

Eu gostava muito de games, dedicava minhas horas livres aos jogos e meu interesse em diversão foi se transformando em curiosidade: “Eu fico aqui o dia todo, mas como tudo isso funciona?”… Eu tinha que descobrir!

A cada dia um “level” diferente…

Comecei a pesquisar mais sobre tecnologias e sentia que “subia de level” a cada novo aprendizado. Me lembro até hoje quando eu ganhei um notebook Samsung RV417 e um tablet DL (que parou de funcionar rápido demais). Com esses equipamentos, eu comecei a procurar cada vez mais sobre jogos, internet e como tudo isso se relacionava. Até me arrisquei com Java logo de cara, sem saber exatamente do que se tratava.

Senti que a minha visão estava amadurecendo enquanto a tecnologia melhorava cada vez mais. Era a hora de pular de cabeça nesse oceano de aprendizado que chamamos de TI. Quando eu entrei na ETEC de Itanhaém fiquei muito feliz!

Sobre ter conseguido entrar no curso técnico

O primeiro módulo foi incrível, consegui descobrir um monte de coisas legais, linguagens e me percebi um Front-End. Como nem tudo são flores, sofri um pouco com Lógica de Programação (quem nunca?). Passei tranquilo, a não ser pelo R na bendita lógica, mas não deixei isso me desmotivar. No segundo módulo, descobri o PHP e aquele dinamismo me conquistou! Lembre-se: eu ainda precisava melhorar minha lógica.

IXI, DEU RUIM… MAS SERÁ?

Nesse momento, a coisa toda apertou e veio a desmotivação. Faltava técnica, faltavam soft skills… e eu não conseguia solucionar os problemas. Eu raramente dividia esses sentimentos com as pessoas, preferia guardar as dificuldades comigo. No fundo, eu achava que simplesmente passaria com o tempo. Pois bem, passei pelo processo e fiquei satisfeito com as minhas notas. No entanto, faltava algo… eu não estava aprendendo, estava apenas vivendo.

2018: VIRANDO O JOGO

Comecei 2018 ainda bastante desmotivado e em uma fase pessoal bem ruim. Minha vontade era simplesmente desistir: cheguei à conclusão de que programar não era para mim. Eu estava prestes a sair do curso para entrar em uma inércia tecnológica pela primeira vez em algum tempo. E foi exatamente neste ponto em que eu tomei a melhor decisão da minha vida: chamei meu professor e coordenador do curso para conversar.

Ganhei algo muito precioso: uma energia e uma motivação que eu realmente não esperava. Ele me explicou que era normal ter esse tipo de sentimento e que existem muitas áreas dentro de TI. Era questão de me encontrar e me encaixar nesse contexto de alguma forma. Ele me deu dicas, forneceu material e me deu o apoio que eu precisava para conseguir me realizar. Outra coisa importante aconteceu nesse momento, que foi a presença das comunidades.

Motivação + Eventos = Energia!

Começaram a rolar muitos eventos na escola e os profissionais que palestraram nos contaram suas dificuldades iniciais. Aquilo me tocou de um jeito, que eu acordei para a vida… Se eles conseguiram, eu também posso… e quero!

Neste ano, estou enfrentando o meu primeiro grande desafio: conciliar o terceiro ano, desenvolvimento de TCC e ondas de trabalho que fazem parte disso. Eu sinto que posso evoluir, mesmo que me irrite um pouco.

BAIXADA NERD E MEU PRIMEIRO EMPREGO

No meio dessa tempestade toda, conheci um movimento super bacana chamado Baixada Nerd, que dá visibilidade aos estudantes de TI e profissionais da Baixada Santista. A intenção do movimento é reunir essas pessoas para dividir conhecimentos. Em um grupo de rede social, que eu só entrei por causa do movimento, encontrei um anúncio de vaga para programador iniciante em PHP. Eu me encaixava no perfil: era jovem, estava mais do que disposto a aprender e ainda morava na região. Perfeito, me candidatei!

Fui na entrevista (talvez eu conte em outro artigo) e fui bem recebido pelo contratante. Aquilo abriu os meus olhos para a oportunidade que estava bem na minha frente. Depois de dois dias, recebi a tão esperada notícia: FUI SELECIONADO!

Eu estava impressionado… Para quem estava totalmente perdido, me ver atuando com PHP é surreal!

No último sábado (07/04), fui ao evento do Baixada Nerd, na ETEC de Mongaguá, e olha… eu pedalei os 26KM mais bem pedalados do ano! Não me arrependo de nada…. Até dei um depoimento rápido (eu quase travei!) sobre a minha trajetória de perdido à contratado. Mais uma vez, isso tudo é TOTALMENTE SURREAL para mim!

MOTIVAÇÃO PARA ESCREVER

Nesse evento, conheci uma pessoa muito legal, que me encorajou a escrever esse artigo. Eu sou muito grato por ter passado por todo esse caminho e por ter encontrado gente realmente disposta a ajudar. Se você chegou até aqui, muito obrigado por se interessar pela minha história!

Obrigado por ler este humilde relato e, caso você esteja na mesma situação que eu me encontrei, saiba de uma coisa: sempre tem alguém que vai te dar a mão! Você só precisa correr até a oportunidade certa, afinal, ela está bem na sua frente.

Muito obrigado!

Like what you read? Give Davi Ferreira de Lima a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.