A gente se acostuma.

Recentemente re-comecei de novo (e de novo) minha tentativa de uma vida saudável, como manda a cartilha de uma vida melhor (no Instagram). Voltei a me exercitar periodicamente, me alimentar melhor (exceto se surgir a oportunidade de comer um dogão, ou um podrão, ou rodízio…). Enfim, essa nova rotina me faz pensar em uma questão chamada “zona de conforto” e como nosso corpo e mente se condiciona à permanecer nele se não mudarmos nossa mentalidade.

Todo mundo deve conhecer alguém que faz tudo e mais um pouco, sendo um verdadeiro exemplo de produtividade. A pessoa acorda cedo, estuda, trabalha, se atualiza, se exercita, enche a cara e, mesmo assim e tendo dormido pouco, está lá pronta e inteira pra outra. Caramba! Como essa pessoa consegue? No meu exemplo, sempre fiz estagio e trabalhei durante minha faculdade, e nunca consegui conciliar a vida tripla de trabalho/faculdade/festa. Se ia para uma festa, no dia seguinte estava só o pó, mas conheci pessoas que conseguiam conciliar numa boa.

Pois é, meus amigos. A gente vai se conhecendo e reconhecendo os nossos limites. Se você é do tipo de pessoa que consegue fazer de tudo na vida, meus parabéns, você é privilegiado. Mas se você se encaixou mais no meu caso, o melhor é aceitar nossas limitações e conseguir fazer o máximo que pudermos.

Sobre a zona de conforto, tem outro ponto interessante que andei pensando a respeito. Provavelmente todos já ouviram, falaram ou pensaram frases desse tipo:

“- Essa política está uma merda. É tudo igual. Esse país não vai pra frente nunca”
“- Não gosto do meu trabalho, mas prefiro não mudar de emprego. Do jeito que está dá pra ir levando”.
“- Abrir uma empresa? Isso não é pra mim. Isso é coisa de gente de berço de ouro”.

..E por aí vai.

Sabe o que é isso meus amigos? É a nossa querida mente nos colocando no modo de zona de conforto. É nossa mente fazendo nós nos acostumar com a corrupção e ineficiência dos nossos representantes para não termos o trabalho de mudarmos nossa rotina para fazer algo. É nossa mente querendo que fiquemos em um emprego que não gostamos, por medo da mudança. É nossa mente evitando um fracasso de um empreendedorismo que não deu certo. Isso é normal, natural. Mas não podemos nos acostumar com esse pensamento.

Se queremos mudar nossa vida precisamos reprogramar nosso pensamento. Tirar todos os preconceitos, sensos comuns e medos e criar nossas próprias perspectivas, visões e opiniões. Precisamos liberar nossa mente!

Mas como fazer isso? Algumas dicas:

1- Mude hábitos.

Não se prenda a mesma rotina de sempre. O mesmo caminho pro trabalho, a mesma comida, a mesma rotina, o mesmo tudo. Mudar frequentemente nossos hábitos condiciona nossa cabeça a ser mais criativa e a evitar que entremos na zona de conforto.

2 — Explore cada dia uma coisa nova.

Pare de ouvir sempre a mesma música, ler os mesmos textos, assistir os mesmos programas. Aprenda coisas novas! Um exemplo: eu sempre era crítico da astrologia, não acreditava em nada daquilo. De uns tempos pra cá, ando estudando um pouco sobre o assunto. Hoje por exemplo sei que sou de Libra, com ascendente em Virgem. O que isso quer dizer? Ainda não faço ideia, preciso estudar mais. Enfim…

3 — Have a break. (“Have a KitKat”).

Descanse sua mente. Por no mínimo meia hora durante todo dia faça algo que descanse e estimule sua mente. Se você gosta de se exercitar, faça. Se você gosta de jogar video game, jogue. Não importa o que se seja, mas faça. Descanse sua mente. Isso estimulará ela ainda mais.

Pois bem, meus amigos, é isso. Não vamos nos prender ao à rotina e ao costume.

Lembre-se: só temos uma vida para vivermos. Não podemos desperdiçá-la. Fim.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.