Um Problema De Maturidade

É domingo e à mesa do almoço ficaram apenas eu, meu pai e meu avô. Três Coutos e 140 anos de histórias vivenciados nesses últimos 80 anos. São momentos como esse que entendo que ouvir é muito melhor que falar… Bom, a todo caso, meu vô ganhou um novo celular pelo qual ele se apaixonou. Não pela marca, capacidade da câmera ou qualidade da tela, mas pelo modo “idoso” que o faz conseguir usar o Facebook, e ter seus contatos favoritos a 2 toques de distância. A alegria do meu avô contagiou o papo e acabamos reparando o quão assustadoramente rápido estamos evoluindo.

Amigo, você com mais de 20 anos (assim como eu) vivenciou um mundo onde a internet era para pouquíssimos além de ser a barulhenta e lenta “internet-discada”, um mundo que um pendrive de 512Mb era: “o máximo!” e você tinha que correr atrás de pilhas AAA “palito”.

Se você é como meu pai, por volta dos 40 teve seu primeiro contato com a TV quando criança, e esperou em filas de meses de espera para ter TELEFONE FIXO! Eu realmente recomendo guardar seu celular e ouvir alguém lhe contar a história desses “tempos longínquos” onde ter uma enciclopédia era algo de alto valor para seus estudos.

“Vendi meu número de telefone”

Agora, se você é como meu avô, (obrigado, estou honrado por você ler meu texto) você enviou cartas com frequência, você viu o mundo mudar completamente durante sua vida. Quão louco não é isso? Parabéns! Você viu isto com os próprios olhos:

Avenida Paulista hoje e 1950

Não me surpreendo que com toda essa evolução social-tecnológica em velocidade recorde pela humanidade, nós presenciássemos vários problemas. Nem todos foram tão adaptáveis quanto meu avô. Para tristeza de algumas pessoas, que parecem não ter evoluído, o racismo é agora totalmente inaceitável, tal como homofobia e machismo. Tomamos consciência que somos todos seres humanos. Quero dizer, quando digo “tomamos”, infelizmente, não posso incluir todos. Existem aqueles que o celular na mão é do século XXI, mas a cabeça esteja presa nos primórdios do século XIX.

Frases como “Pokemon é coisa de viado, homem de verdade tem que pegar puta” que ouvi no trabalho. São chocantes não pelo fato de pokemon GO ser ou não para adultos, mas por expor o “machista-homofóbico” (e por outros comentários, sei que também racista) livre na sociedade, procriando física e mentalmente seus pensamentos, e pior, ao ser confrontado responder:

“Vivo na merda de uma democracia, não é? Esses esquerdistas-vermelhos. Triste ver esses filhinhos de papai falando tanta asneira.”

O cara vive mentalmente na década de 40–50. Preso à uma era de Guerra Fria. Talvez, triste mesmo talvez seja eu. Que passo longe de ser “filhinho de papai”, mas tenho que conviver com um cara cujo filho tem processo por atropelamento enquanto estava dirigindo bêbado.

É, talvez eu seja o imaturo mesmo.

Like what you read? Give Davi Moraes Couto a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.