O Hospício de Muskov— Das páginas para a vida real

Eis que hoje eu reuni duas das minhas paixões em um texto: psicologia e literatura.

Muito bem, no início desse ano, a Editora Wish trouxe uma proposta em uma de suas antologias que me encheu os olhos e o coração: relatos sobre um certo hospital psiquiátrico fictício (mas que traz um cunho muito realístico no contexto psicológico), O Hospício de Muskov.

Tão logo eu li a premissa da antologia, fiquei fascinada e os neurônios começaram a trabalhar. Não demorou muito para que Anna viesse até mim contar sua história, que registrei no conto intitulado “Ecos do Silêncio”. Ela era sorridente, no auge dos seus dezessete anos, de uma beleza jovial e cheia de vida. Os cabelos dourados emolduravam a pele pálida e salientava as delicadas maças de seu rosto.

Como ela foi parar no Hospício de Muskov?

Anna frequentava a escola para moças em sua cidade, porém sempre guardara um segredo consigo. Algo que ela sabia que as outras pessoas não sentiam. Todas as vezes que ela tentava ler em voz alta, as palavras se embaralhavam. Pareciam se mexer diante de seus olhos e as letras não se fixavam em sua memória por muito tempo.

Conforme o problema ia se agravando, ela começava a pensar que tinha algo de errado com sua cabeça. Todas as outras garotas estavam aprendendo e ela não. Como poderia deixar essa oportunidade passar diante de seus olhos? Sonhava em ser professora e aquele era um obstáculo em seu caminho.

Anna era disléxica, mas não sabia disso. E esse segredo foi seu bilhete de entrada para o Hospício de Muskov.

A dislexia foi e ainda é um termo distante da nossa realidade, um nome “feio” e difícil de pronunciar, que ninguém sabe o que significa exatamente. Apesar de fazer parte da rotina de muitos indivíduos, esse distúrbio só começou a ser estudado no fim do século XIX e ainda hoje é pouco comentado na rotina dos brasileiros.

A dislexia é um distúrbio de aprendizagem que se apresenta como uma dificuldade de aprendizagem de escrita e leitura. Por se tratar de uma disfunção constitucional, ou seja, que faz parte da pessoa, não existe uma “cura” — dado que também não é algo que deve ser visto como doença. Atualmente, a dislexia é entendida como uma síndrome que pode se mostrar de inúmeras formas e graus diferentes, em um movimento subjetivo, no qual os sintomas devem ser avaliados em conjunto.

A boa notícia é que, com os avanços nos estudos a respeito desse distúrbio, aos poucos a realidade vem mudando. Apesar da dificuldade e contrariando as expectativas a seu favor, temos hoje grandes personalidades reconhecidas mundialmente — dentre elas alguns escritores — que são disléxicas, como Aghata Christie, Albert Einstein, Tom Cruise, Steven Spielberg e muitos outros.

Infelizmente, nossa Anna não teve a mesma sorte e acabou indo parar em um manicômio no coração da Rússia. Contudo, o que acontece com ela durante essa estadia é algo que vocês só saberão em breve, no lançamento dessa antologia tão linda e tão esperada!

P.S.: A antologia se encontra em pré-venda no site da Editora Wish.
https://editorawish.lojaintegrada.com.br/o-hospicio-de-muskov

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.