Amar não basta

Às vezes, cartas não bastam 
Dizer que ama também não 
Eu, jornalista, metido a escritor, amante das palavras talvez não tenha me dado conta disso
Que palavras jogadas ao vento não valem nada além de palavras 
Palavras, somente palavras, sem ações que correspondem ao que elas dizem

Mas que ações? Quais ações? 
Ações que fazem você sufocar o outro? 
Cobrar ao outro? 
Ações que te fazem parecer um louco? 
O quê adianta amar se as ações são incorretas?

Se elas mostram outra coisa além do amor. 
Quê coisas? Quais coisas? 
Embora se queira, não podemos controlar o quê as nossas ações fazem o outro pensar de nós

Aprendi isso na pele, sofri como nunca sofri antes, mas talvez não tenha culpa, ou será que tenho? Ou talvez, como diz a música, ou seja poeta demais para saber amar

Mas como saber que sabemos amar? 
Como perceber que não estamos amando, se achamos realmente que amamos? 
Sei lá, há coisas que não se dá pra explicar

Como não ter culpa se hoje olho pro passado e vejo o quanto estava errado. 
Mas não sei se me apaixonei por algo que inventei de você
Será que você amava? Será que você gostava? 
Não sei, como posso saber? Tive medo de perguntar
Toda a coragem se foi na hora de fazer essa pergunta

Por que será? Talvez, eu tenha medo de amar!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Douglas Dayube’s story.