Você só vive uma vez

Esses últimos dias, devido alguns acontecimentos tristes, têm me feito pensar muito sobre a vida, em como sabemos com pé nas costas que devemos aproveitar cada minuto — com moderação — como se fosse o último mas que talvez não sabemos aplicamos isso no nosso dia-a-dia. A culpa disso é nossa rotina, como ela nos domina! Acorda, toma café da manhã, faz academia, vai trabalhar, trabalha o dia todo, chega cansado em casa, faz o jantar, tenta se distrair com alguma coisa que gosta de fazer e vai dormir. Claro, que no meio disso tudo, damos um jeito de encontrar os amigos, familiares, dar uma escapadinha no cinema. Mas parou pra pensar em como a melhor parte da vida a gente tem sempre que achar tempo pra tal? A gente esquece dos detalhes, a gente acha que sempre vai dar tempo alí na frente de falar eu te amo pra alguém, de fazer a viagem dos sonhos, de mudar de emprego se você não está feliz no atual, de abraçar seus amigos, de fazer uma caridade... Porque não marcar um café ainda hoje, já que você tem uma brechinha, com aquela amiga que não vê faz tempo? Pois a gente sempre acha que é melhor esperar um dia bom pra tudo isso, mas talvez esse dia nunca chegue. Eu não estou sendo pessimista, muito pelo contrário, quem me conhece sabe como sou otimista, mas temos que nos atentar a esses detalhes que fazem nossa vida valer a pena, afinal de contas, nunca sabemos o dia de amanhã.

Chega a ser bizarro como não somos nada em relação ao todo. Sem mais nem menos podemos deixar de existir. E todas aquelas promessas, vontades, planejamentos, ficaram pra trás — assim como todas as coisas materiais.

E isso não serve só pra nós mesmos, não. Sabe aquela pessoa que você ama, ou apenas adora e é querida pra você? Então, ela pode não estar mais aqui amanhã. E você vai deixar de falar com ela hoje, porque o tempo pode esperar? Uhmmm.

Fica aqui minhas questões: se amanhã fosse o seu último dia de vida — mas você não sabe disso — , o que fez até hoje que fará com que as pessoas lembrem de você? Você deixou um bom legado? Você construiu coisas boas, espalhou amor, alegria, boas energias pra quem te conheceu? Fez grandes amigos? Amou de verdade? Você quer ser lembrado como uma pessoa maravilhosa, querida, que acima de tudo tentou curtir cada pedacinho do que a vida ofereceu de bom? Você conseguiu fazer hoje aquilo que você deixaria pra fazer daqui uns meses, né?

Essas são todas as perguntas que vou tentar fazer pra mim mesma todos os dias, e usá-las de guia para, de fato, tentar transformar todas as respostas num grande SIM.

Like what you read? Give Dé Andreucci a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.