A incrível geração q ñ sei o q que ñ sei o q lá

Juro que tento ficar de boa, mas vcs também provocam

Tá, e aí que surgiu mais uma porcaria de um texto de como o pessoal nascido nos anos 90 (assim como o ~bando de mimado irresponsável sonhador~ dos anos 80) não presta pra nada.

Tudo amparado por pesquisa, etc. E eu me pergunto:

Pq essa gente que faz esses textos sabotadores, umbiguistas, que se parecem mais uma versão 2.0 das veiota no chá das 5h reclamando da juventude, não tira seu rabo privilegiado da cadeira caríssima e ótima para coluna, e tenta olhar um pouco ao redor?

Conversar com eles, talvez?

Ok, pode ser um tanto aterrorizante falar diretamente com nós, selvagens tatuados, de cabelos coloridos que (falem baixinho) acham esse sistema capitalista atual uma merda, priorizam o bem estar a carreira, e se preocupam de fato com questões ambientais e civis e sociais.

Mas tentem ler pelo menos o material que eles produzem. Como as bandas independentes se uniram em selos e criaram todo um organismo cultural riquíssimo pelo Brasil inteiro sem precisar de um adulto pau no cu mainstream enchendo o saco.

Tentem entender porque os jovens estão se suicidando A RODO. Com mais transtornos mentais do que nunca. Que depressão, síndrome do pânico é parte do nosso vocabulário do dia a dia, e o suicídio é uma epidemia que mata uma pessoa a cada 40 minutos (ou segundos?) no país, sendo a SEGUNDA causa de morte entre os jovens. “Ay, mas é que o bullen…” pfvr. Sim, temos essa questão (que sempre existiu). Mas também somos as primeiras gerações a ter que lidar com essa centrífuga nonstop de treta que — acredito eu — fode a cabeça de qualquer um, especialmente no momento mágico em que estamos vivendo.

Enquanto isso, a indústria farmacêutica ao invés de procurar curas, corre atrás de formas de te deixar ainda mais doente, afinal quem manda é o capital. Aí não contentes, vocezinhos dos anos 60, 70, nos jogam num mundo em que presídio é visto como negócio, e assistimos ao vivo narrado com a neutralidade que só um sincero foda-se pode proporcionar, seres humanos sob custódia do Estado, sendo mortos em chacinas e rebeliões, mostrando a máquina de tortura e carnificina que estes centros são. Isso no mesmo país que é de uma injustiça social criminosa, e faz questão de exigir uma justiça vingativa, se possível feita pelas próprias mãos, enquanto as autoridades parecem estar numa esquete eterna de monty python banhados da mais pura angústia kafkaniana.

E quem sai na rua pra tentar protestar, toma porrada adoidado, é tratado como vândalo pela mídia e pela sociedade dos comentadores de portal cegos por um ódio delirante e irracional. E nos resta assistir tragédias ambientais (oi Mari) sendo silenciadas, um governo golpista despedaçando o país fazendo 1984 parecer um ano bom, lembrando que não tinha um apresentador de reality show comandando os EUA tal qual sua caixinha de brinquedos, sem uma KKK passeando por aí com tochas havaianas, protegidas por pessoas antes razoáveis que agora condenam quem reage aos ataques de supremacistas brancos. Ah sim, e as ameaças nucleares dia sim, outro também.

Enquanto isso, por aqui as pessoas passaram DIAS discutindo (for real) se nazismo é de esquerda, se a terra é plana, que não houve ditadura em 64, e agora a ala conservadora virou sommelier de abuso sexual e resolveu decidir se quem foi estuprada é vítima ou não. E como previsão para o futuro, os investimentos para saúde e educação foram congelados por 20 anos, trabalhadores perderam direitos com apoio dos próprios trabalhadores (vcs querem me matar), a previdência social na agulha, o salário mínimo diminuiu pela primeira vez em sei lá qto tempo, juiz tem torcida e mapa astral feito pelos jornais antes de um julgamento, e ~qm está no comando~ (não vou sujar meu texto) gasta altos bilhão pra não ser condenado e perdoa mais uma cacetada de bilhão dos pobrezinhos dos bancos.

E AI SE QUEBRAR VIDRAÇA EM PROTESTO

Aí no meio dessa gritaria loca, com todo mundo tacando papel higiênico molhado no teto, aparece gente falando que ~~~ain, os millenials são avessos a hierarquias~~~~, ~~~~ainn, quem nasceu depois de 1995 não está pronto pra ser adulto~~~.

MEUS AMORES.

Que tal parar pra pensar que ain, deus que me livre fazer parte dessa merda de mundo que vcs deixaram aí pra nós?

E o que é ser adulto?

Sair de casa, entrar numa faculdade paga (afinal, mesmo com uma infinidade de formas de acesso ao conhecimento, precisamos mostrar o diplominha pra empresinha nos subcontratar, certo?),

trabalhar em alguma coisa que vai foder mais ainda o mundo (empreiteras? multinacional que tem fábricas em países na Ásia em condições escravagistas? financeiras pra deixar os ricos mais ricos e nos prestarmos ao papel de carrascos fazendo pressão psicológica em quem tá fodido, com meta pra bater?), e ainda ter filhos que não iremos conseguir sustentar?

É isso?

Muitas pessoas se suicidam não porque querem morrer, mas porque não encontram uma saída para uma situação angustiante. Acreditem ou não, o motivo pode ser esse mundo escroto cheio de papéis que nos são enfiados goela abaixo.

E quem sabe, enquanto vocês escrevem esses textos falando mais do mesmo, os imprestáveis dos anos 80 e 90, estão encontrando novas alternativas de sociedade sem perpetuar essa merda toda, de uma forma mais saudável, gentil, colaborativa e humana.

Pq, com todo respeito, por mais que quem tenha inventado essa dinâmica possa ser de exatas, a conta dessa sociedade atual, definitivamente não fecha.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.