Quando a sanidade acaba junto com a luz

A porra da energia acaba por causa de um temporal que fodeu com a vida de todo mundo na cidade bem no meio da tarde.
Faço o que parece ser o mais razoável (e até um privilégio) e durmo.

Acordo suada, transtornada, não sabendo que dia é hoje (apesar de ser especialista em nunca saber que dia é hoje) e continuo incomunicável no escuro.

Ilustração: Shawn Coss

Ainda chove, não tem comida em casa, estou sem telefone fixo, 3G, créditos ou qualquer coisa que me convença de que eu não estou presa dentro da minha própria cabeça dentro de um sonho angustiante de muito mau gosto.

Ainda são 20h. Vou ficando mais e mais transtornada. Preciso ler as listas do Buzzfeed, as notícias do HuffPost, ler meus feeds do twitter, dar meus dois cents de opinião sobre o fechamento do Hangar, saber qual é a loucura política do dia, entregar uma playlist pro Spotify, separar textos, responder inboxes, subir uma foto, trabalhar numa apresentação, assistir o último debate entre os candidatos dos EUA, mandar emails, atualizar site, zerar a cabeça no Netflix.

Só que nããão. Já não sabendo direito o que era loucura minha ou escuridão da Eletropaulo, o ar começou a ficar cada vez mais difícil de entrar nos pulmões e comecei a suar frio dentro de uma camisa de força analógica.

Ilustração: Shawn Coss

E no auge de meu apocalipse interno, contra todos meus instintos, me vesti às pressas e desci para fugir do abrigo, doce, abrigo tóxico. Enquanto esperava um táxi sob garoa, relâmpagos distantes, em meio à fucking escuridão (só sei lidar com duas, a minha e a da buat, mais que isso é demais), olha para o lado e vejo uma árvore caída na esquina bem ao lado do poste do transformador.

E então percebo que me tornei o tipo de pessoa que fica puta com a árvore ao invés de me preocupar com o meio ambiente-a-culpa-nunca-é-da-vítima.

Meus $10 foram suficientes para chegar na (meu deus, que vergonha) casa dos meus pais, onde eu sabia que teria luz, wi-fi e jantar. Mas precisei de 20 min pra me acalmar e explicar que realmente estava lá.

…E aí que me interromperam enquanto eu escrevia essa merda, deixei pra terminar o texto depois, a luz voltou, a noia passou e eu não quero mais falar sobre isso, tchau :)

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.