Girlboss e dicas básicas de empreendedorismo

A série Girlboss, um dos lançamentos da Netflix não foi muito bem recebida pelo público, que prefere o livro homônimo do ícone da moda Sophia Amoruso de lavada! Muitos podem me odiar por isso, mas eu gostei sim da série (claro que a minha opinião foi positiva porque ainda não li o livro. Mas por causa da série agora quero ler) e vou dizer o porquê.

Bom, para começar, o roteiro é apenas uma adaptação do livro, e beeem livre, assim como diz na abertura da série: “Uma releitura livre de eventos verdadeiros. Muito livre”. E além disso, a protagonista é apenas inspirada na Sophia Amoruso, e não é ela de fato, tanto que leva sobrenome diferente e trajetória diversa. E aos que acharam a Sophia da série muito mal educada e reprodutora de mau exemplo, no meu ponto de vista, ela nada mais é do que ousada, impetuosa, com personalidade forte e que não tem medo de arriscar. Uma líder nata. E, temos que levar em conta que é uma narrativa com formato de sátira, humor ácido e hipérbole com elementos de paródia. Uma realidade exagerada.

Eu, particularmente, vi a obra como uma inspiração de empreendedorismo, pois estimulou a minha criatividade e a minha vontade de ser dona do meu próprio negócio em breve. Com uma visão a frente do seu tempo, Sophia dá dicas preciosas de e-commerce e mercado online, como o conceito de site acessível e responsivo, layout dinâmico, CX (Customer Experience, que consiste em criar boas experiências em todos os pontos de contato — não só durante o uso do site/app em si. Isso encanta e fideliza o usuário), e UX (User Experience, que tem o foco na satisfação e em uma boa experiência do usuário), que antes não eram tão conhecidos e nem trabalhados, tudo resumido em uma simples e eficaz frase: “nosso site deve ser fácil de usar e legal de ser olhar”.

E além disso tudo, o formato da série também me agradou bastante. A edição é dinâmica, não é arrastada, com uma narrativa envolvente e a edição segue o propósito da série, com componentes gráficos divertidos e bem executados.

Bom, a minha conclusão é: assista! Tem sim muito Girlboss e, principalmente, Girlpower! Mesmo que você não concorde comigo, já vai valer a pena para ver em qual lado vai ficar, gostou ou não?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.